20mar

Respirem fundo: vamos falar da sogra?

Que atire a primeira pedra quem nunca falou mal da sogra.

(desculpa aí, sogrinha, mas seu cargo envolve toda uma polêmica!)

 

Fato é que quando a gente casa, assume todo um combo! E embora ela tenha uma fama que (nem) sempre faz juz ao seu comportamento, sogras serão sempre sogras!

 

É cada coisa que a gente escuta nos grupos de whatsapp e na vida, que as (nem sempre) coitadas precisam de uma benzedura.

 

Vamos falar delas então?

 

Sogrinhas do meu coração, ajuda as novinha aqui?

 

Vocês são experientes, já passaram por uma gestação, pelo pós parto e também já educaram uma criança. Vocês sabem as dores e delícias disso tudo!

 

Apoie essa nova mãe, não precisa ensinar porque ela vai aprender de um jeito ou de outro, mas volte suas atenções para ela.

 

Incentive, elogie, empodere e dê o seu melhor pra ela, você já esteve nesse momento e sabe que o buraco é bem mais embaixo.

 

O seu neto vai ser mais feliz e seu filho também!

 

De verdade, esse vínculo, vai fazer bem pra família inteira. (toca aqui e vamos chorar as pitangas juntas)

 

Noras, respirem fundo várias vezes e paciência. Nós também vamos ser sogras um dia, né?

 

Pra dar uma ajudinha nessa relação mapeei aqui alguns tipos de sogras, e umas diquinhas pra elas ajudarem a gente e vice versa.


Ah! Tudo pode ser substituído por tipos de mães também. Porque tem umas mães, que virge Maria cruz credo! (não é o caso da minha. Pelo menos não todo dia, beijo mãe, te amo <3)

Como anda sua relação com sua sogra?

Imagem do filme A Sogra com a Jennifer Lopes e a Jane Fonda.

 

Tem uns tipos de sogra também que deviam ser modelo a ser seguido, tipo referência intergalática (AMADAS).

 

Sogra/Mãe Dramática

“Ninguém mais vem me ver” ou ainda “Tô com uma dor no peito, acho que vou morrer”.

 

Calma né minha gente, ter filho demanda bastante tempo, então se você ficou um pouco de lado, entenda. Logo mais vai ter um netinho lindo que não vai desgrudar de você!

 

Vó é tudo de bom, noras liberem os filhos sem medo, passe as instruções básicas pras sogrinhas e confiem. Brincadeira de vó não tem igual.

 

Sogras se ofereçam para visitar ou levar o neto pra passear, se os pais já tiverem seguros em relação a isso. Siga as instruções alimentares e as restrições (faz  favor né) .

 

Seu neto, é cria da sua criaq, não se preocupe a fruta não cai muito longe do pé. 😉

 

Sogra/Mãe clássica

Aquela que conta a história da família, acolhe todo mundo e não deixa ninguém ir embora. Desce aquela caixa de memórias a cada visita. É o tipo fofinha com coque no cabelo.

 

Sogras lindas, que tal guardar uns assuntos pra próxima visita? Separa umas emocionantes e nada de falar da ex nora (faz uma seleçãozinha antes porfa).

 

Noras, conhecer a história da família do marido pode ser chato as vezes, mas é super legal e vai te dar dicas de futuro (pode acreditar).

 

Todo mundo vai amar e lembrar pra sempre.

 

Sogra/Mãe teatral

Aquela que precisa dizer um longo monólogo na despedida de uma visitinha rápida.

 

Quem tem filho sabe, o tempo é precioso.

 

Sogrinhas, ajuda nóis a dar aquela namorada?

 

Norinhas, não façam perguntas (hahahahah).

 

Sogra/Mãe modernete

Aquela que você encontra na balada. E quando o neto dorme na casa dá o celular pra ele brincar.

 

Sogras, se os pais acham legal dar o celular, bom, se não gosta, respeita eles?

 

Deve ter algum motivo para eles não quererem que o filho mexa no aparelho né. (vai ver eles são vintage)

 

Noras, não dá pra controlar tudo e é legal vó e neto ter alguma coisa só deles.

 

A gente vai ser vó um dia e é bem provável estarmos nessa categoria, né nom?

 

Sogra/Mãe pau pra toda obra

Aquela que joga um carteado com você e toma um vinhozinho falando besteira.

Essa é daquelas sogras que dá vontade de deixar o marido em casa e ir na casa dela bater um papo. Suas lindas, continuem assim!

 

Noras se sua sogra é assim, aproveita muito!

 

Sogra/Mãe fofolete

Aquela que vive falando com o seu marido como se ele fosse um bebê, com voz de quem fala com bebê e tudo.

Como lidar com a sogra?

Sogras parem, pelo amor, não tem nada mais brochante do que ver seu marido com aquela cara envergonhada de quem tem 8 anos.

 

Transfira sua fofura para o se neto.

 

Noras, segura o carão e respira fundo, seu filho vai crescer e a gente se vê lá (hahaha).

 

Sogra/Mãe feminista

Aquela que toma partido pro seu lado, te entende e fica do seu lado, porque é mulher e sabe o quanto a relação fica difícil com a chegada de um bebê.

 

E o melhor, elas ainda falam pro filho ficar quieto quando tão falando besteira! (AMO)

 

Sogras, continuem assim.

 

Noras, aproveitem!

 

Sogra/Mãe que quer ser a mãe do neto

Aquela que fala aos quatro cantos que a criança é a cara dela.

 

Não é sua cara não e é tudo o que tenho pra dizer. (HAHAHAHAH)

 

Seria muito melhor se a gente olhasse pras sogras com mais amor e vice versa, sem muitas cobranças, críticas e julgamentos.

 

Sogras, tentem lembrar de quando foram mães e como foi esse momento.

 

Noras, não se esqueçam da sua sogra quando forem uma! (hahahah)

 

Claro que tem casos em que a relação com a sogra é melhor do que a relação com a mãe e ela se torna uma segunda mãe (AMO).

Só Freud explica!

 

Que tal encaminhar esse texto pra sua sogrinha? Do bem ou do mal, seja ela Ruth ou Raquel, vai ser legal!

03set

Depressão pós parto em homens é mais comum do que em mulheres

Sabia que a depressão pós parto pode ser mais comum em homens do que em mulheres? Os pais com DPP podem representar 21% (contra 15% da média feminina). É o que aponta um estudo publicado pelo Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido.

Acho que o mundo pré e pós bebê muitas vezes se resume aos que estavam presos pelo cordão. E o coitado do pai (tá, nem sempre ele é coitado. eu sei) pode se sentir excluído.

homem-dpp-pai

 

Mas não é só isso que pode deixar o moço assim. Vou analisar com o meu olhar e depois eu cito as fontes que comprovam o achismo (já que não sou blogueira suicida e prezo pela veracidade do que escrevo aqui).

Toda a família é impactada com a chegada do bebê. Sim, é lindo. Sim, é muuuuito difícil. E quem não sabe disso vai se frustrar. De verdade.

Normalmente, nós mulheres, temos pra onde correr. Ainda que sozinhas com o bebê, procuramos um jeitinho de canalizar nossas emoções. Fala sério, a gente desabafa com o que vê pela frente e na hora do aperto, fica amiga até de um poste. No meu caso (como nesse e em vários outros momentos) escolhi essa tela. Mas nesse parágrafo, falo por mim e por uma parcela que possa se identificar. Sei que no caso da mulher com DPP a coisa muda de figura.

E os homens? Será que conversam o suficiente sobre suas dificuldades e desafios do primeiro ano de vida do bebê? Será que se preparam pra isso? Pra ter uma noção, basta comparar a quantidade de blogs maternos e paternos. Esses eu conto nos dedos.

Mas peraí. Parece que o cara não tem o direito de sentir tanto quanto a gente. Afinal, eles não gestaram, deformaram o corpo, não foram atacados por hormônios (que mais pareciam exús) e que faziam a gente não responder por nós.

Como assim tá estressado? Quer trocar de lugar comigo? Se liga! Você não aguentaria um dia.” Quem nunca pensou – ou falou isso, que atire a primeira fralda!

Perdi as contas de quantas vezes explodi com meu marido ao tentar “comparar” as tarefas que envolvem o dia a dia do recém nascido, ou competir sobre quem está mais cansado. E aprendi uma coisa: entrar nessa onda é batalha perdida, pros dois lados.

É difícil pra gente. Mas pra eles também! E cada um no seu quadrado. (ado, aádo)

A verdade é que a (nem tão) nova configuração familiar mexeu com o psicológico da nossa geração. Os papéis tão bem definidos antes – pai/provedor mãe/dona de casa já não representam a maioria, mas refletem a forma de como a maior parte de nós fomos criados. É difícil brigar com valores enraizados, muitas vezes presentes apenas em nosso inconsciente.

Ah, voltando a falar deles. (sim, porque dominei o assunto, contei minha história e no caso, era pra falar da DPP masculina!)

Os problemas mais recorrentes relatados pelos novos pais são: dificuldade em criar vínculo com o bebê, falta de atenção da esposa e problemas no relacionamento conjugal, transformações no papel familiar e identidade pessoal, stress pela mudança da rotina e principalmente do sono, sentimento de obrigação em amparar psicologicamente a mãe e pressão por sentir-se o provedor da casa.

Principais sintomas da depressão pós parto masculina: irritabilidade, tristeza, falta de apetite, falta de vontade de se relacionar com a parceira, inclusive com o bebê. Mas só quem pode dar o diagnóstico é um especialista!

Uma das pesquisas que eu acessei pra fazer este texto, publicada na Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia recomendou a participação e envolvimento do pai desde a gravidez como membro da família (não um mero acompanhante da mãe) e a busca de informações sobre o puerpério por parte do pai, pois a DPP masculina pode ter relação com a falta de conhecimento e despreparo.

Ou seja, o envolvimento do pai desde a gravidez representa muito, aproxima o casal e traz benefícios principalmente pra ele!

Fonte:

Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia

Daily Mail United Kingdom

Hospital Albert Einstein

 

 

 

06jul

Adesivos que levantam os seios

Descobri uns tais adesivos que fazem o efeito breast-lift, que nada mais é do que aquela recauchutada nos seios quando a gente não pode usar sutiã. Pena que quando fui atrás do produto, era tarde demais e eu tinha um casamento um dia depois.

Foto: Site Garotas Estúpidas

Foto: Site Garotas Estúpidas

Não vou entrar em detalhes sobre a condição da comissão de frente de quem vos escreve, mas posso dizer que ela já teve dias melhores! (ok. entrei em detalhes). São ossos do ofício, aposto que tu me entendes!

Como eu tinha que resolver de algum jeito (e rápido) a situação despeitada, busquei criatividade e encontrei um “primo pobre” pra cumprir a função. E vou dizer deu o maior UP!

Curativos-Nexcare-ProvaDagua-1_P

Ganhei da assessoria toda a coleção da NexCare e confesso, quando vi aquele monte de curativos não tinha nem ideia de como e onde usar.

Até que olhei maliciosamente pra esses adesivos grandões e pensei: será?

Segurou a noite inteira, não descolou, e o melhor, custa em média R$20 e a caixa vem com 4. Beeeeeem mais barato. Resolveu o problema do farol aceso também, haha. Colei primeiro a parte inferior, dei uma levantada e colei a parte superior, gruda e não larga mais.

Ah, como o formato não é apropriado, dependendo da roupa pode não ficar excelente. No meu caso ficou ótimo pois o vestido não era muito justo no seio e o tecido tinha um pouco de volume. Mas acho que vale o teste, vou usar pra vida!

E se não gostar, usa no joelho da criança. #mileumautilidades 😛

Perdão: esperta que sou, não tirei nenhuma foto minha com o vestido! Tava sem bateria, mas pode confiar que deu certo.

 

17out

Para os incompatíveis na TV

Novela ou Futebol?

Aqui em casa o amor de um é o pavor do outro.

Eu até gosto de futebol, mas um jogo de-ci-si-vo, de um time que eu conheço – e torço e, se não for pedir muito, que não seja reprise. Ui! Dá até calafrio de pensar. Que abuso!

Eu assisto bem menos novela. Ele assiste bem menos futebol.

Nossa salvação são filmes, séries e programas de TV que gostamos em comum. Só que ver filme é quase que um ritual. O fato de eu saber que vou parar por DUAS horas sentada com tantas outras coisas pra fazer me trava um pouco pra começar a assistir. Preguiça, acho. E meio que psicológico, muitas vezes eu fico mais de duas horas assistindo coisas picadas e só percebo depois.

Esse trololó todo foi só pra compartilhar uma dica com vocês. Estamos viciados na série How I Met Your Mother.

How-I-Met-Your-Mother-Banner

Tem no NetFlix até a oitava temporada. Por que NetFLix? Só pra gente ter trabalho de baixar a nona na treta!

O enredo, como o próprio nome diz, fala sobre como Ted (protagonista) conheceu a mãe de seus filhos. A cada episódio narrado por Ted, ele conta aos seus filhos um pouco da sua história envolvendo seus 4 amigos: Robin, Barney, Lily e Marshall.

Além de ser um humor leve e cotidiano, a história passa por diversas fases da vida dos personagens. Desde a vida de solteiro, casamento, gravidez, crescimento dos filhos.. A gente se identifica muito em várias cenas!

Tem gente que diz que eles tentam ser Friends (eu também já disse), mas ao longo dos episódios a gente percebe que o enredo é bem diferente e a história é ótima, vai além do besteirol! Começa a ver e me diz.

Espero que a dica ajude os casais incompatíveis na TV. Ou pra quem só quer assistir algo legal mesmo..

Bom fim de semana!

Beijones..

15out

Marido em ação: a vida a dois depois dos filhos

Minha amiga de blogsfera, Buka, do Mãetamorfose que eu tanto amo acompanhar, criou uma tag sobre a vida de casado depois dos filhos.

Só que não fui eu que respondi dessa vez, foi o maridón. Ela chamou os maridos de 4 blogueiras pra falar o que eles admiram nelas depois do casamento. Vê só o que o Tiago falou de mim:

“Penso que o que nos mantém cada dia mais unidos é nossa cumplicidade. Nossa história de vida nos mostrou que realmente queremos e gostamos de ficar um ao lado do outro. O companheirismo e a dedicação dela com a nossa família, nos faz sentir prazer em estar em casa, todos juntos. E principalmente, porque além de todas as qualidades de mãe e esposa, a Bia é uma mulher linda! Não há como não admirá-la! Mesmo depois de todos esses anos, continuo elogiando ela quase que diariamente, e não é uma política de relacionamento não! É a pura verdade! Uma esposa linda, uma companheira pra sempre, uma mãe apaixonada.” 

Bia-Tiago

Emocionei. E quanto ao linda? Achei fofura. hahaha.

Obrigada Bruna e Tiago, pela iniciativa e pela chuva de elogios!

Claro que no casamento nem tudo são flores, e o desafio é ainda maior depois da maternidade, mas o amor e a vontade de estar junto superam toda e qualquer dificuldade. Isso é a mais pura verdade.

Beijo beijo!