30jun

O que é e quanto tempo dura o puerpério?

Faz tempo que quero escrever sobre o puerpério, mas ainda não sabia como. Ainda não sei a melhor maneira de abordar essa questão, pela delicadeza que o momento pede, mas vamos lá, com calma e por partes.

 

Faz pouco tempo que começamos a falar mais sobre puerpério, e que bom!

 

Mas o que é o puerpério?

 

Logo que o bebê nasce, parto normal ou não, existe uma coisa chamada resguardo, aquele periodozinho de quarenta dias de recuperação física e de adaptação mental à nova rotina.

E essa nova rotina, com milhões de adaptações, aprendizados e hormônios desorientados, não é fácil!

O corpo começa a perceber que não tem mais um bebê dentro da barriga e vai se remodelando ao novo espaço, ao novo corpo. Além de todas as mudanças físicas, as emoções ficam à flor da pele.

Dá aquela insegurança de pensar que aquele bebezico é pra vida toda. E a gente pensa: não dá pra colocar de volta? Não dá pra fugir e desistir dessa responsa? E a gente percebe nesse tempo que não, não dá.

Uma das melhores definições EVER que eu li sobre puerpério foi da Luiza do blog Potencial Gestante. Se liga na metáfora que vai fazer qualquer pessoa entender o que é esse momento:

“o puerpério acontece naqueles meses após o nascimento do bebê em que parece que te mandaram para um país muito distante, com passagem só de ida. de repente você está lá, lidando com pessoas com uma língua totalmente diferente, uma cultura diferente, culinária, moeda, clima, vestimentas, tudo diferente. seu bebê fala uma língua que não é sua. se alimenta de outra maneira, se veste de outra maneira, se comporta totalmente de outra maneira, tem uns horários esquisitíssimos, emite sons e cheiros fora do que você consideraria comun no seu país de origem. de repente você se vê obrigada a aprender a lidar rapidamente com aquilo tudo por um instinto de sobrevivência. como sair dali não é uma opção, ou você se adapta ou surta.”

Não é gênia essa mulher?

No meio dessa instabilidade emocional e desse desgaste físico algumas coisas podem ajudar a passar por esse momento com um pouco mais de segurança.

Então, como passar pelo puerpério sem surtar? Ou ainda, como manter o minimo de sanidade em momentos de estresse? E até: como não sair correndo pela rua gritando e puxando os cabelos?

  Sanidade no puerpério

Vamos tricotar ou as famosas redes de apoio

Dizem que pra criar uma criança é preciso uma vila inteira, mas eu fico me perguntando e pra cuidar da mãe o que é preciso?

O momento delicado do puerpério

Durante a gestação toda a mulher é cercada de carinho, passa por exames médicos regulares, é acompanhada a cada passo. Daí o bebê nasce e o que acontece com a mulher?

Ninguém sabe, porque tá todo mundo olhando pro bebê.

É pra isso que serve a rede de apoio, cuidar da mãe e não do bebê!

Segue minhas diquinhas:

  • faça uma visita (consentida pelos pais, claro) e prepare a refeição deles
  • ofereça uma faxina ou um cuidado com a casa, tipo: lavar louça, estender a roupa, comprar comida
  • quem sabe ficar com o bebê enquanto a mãe toma um banho longo, heim?
  • o que você acha de oferecer o seu ouvido pra ela poder falar sobre a sua experiência materna?

 

Se você está precisando dessa rede, mande esse texto pros seus amigos. Se você faz parte dessa rede, preste atenção nas prioridades ali em cima, meus amigos.

Prometo que você vai ter tempo de curtir o bebê, principalmente se a mãe dele estiver bem!

 

Vamos alugar um orelhão? Terapia é a escuta qualificada que precisamos!

Muitas vezes as pessoas não querem ouvir nossos dilemas e nós também não queremos ficar dividindo muito as nossas angústias.

Terapia durante o puerpério, vale a pena?

Faça terapia! Essa dica é vida!

Nada melhor que uma pessoa com uma escuta ativa pra acalmar o nosso coração e organizar um pouco as nossas ideias.

M E L H O R coisa da vida é ter esse espaço onde se pode falar inclusive: quero desistir! Não quero mais ser mãe! Que medo desse bichinho que saiu de mim!

E não ser julgada por isso.

Mindfulness e a arte de se concentrar em algo bem objetivo

Pra ser bem prática, Mindfulness é um estado de concentração plena ou a nossa mente presente (que é bem difícil, não é mesmo?).

Porque o puerpério é tão difícil?

Existem treinamentos com práticas pra domesticar nossa mente louca (hahaha) buscando uma atenção às coisas, mais consciente.

Esse estado “mindfulness”, surge quando aprendemos e conseguimos prestar atenção,  sem julgar o momento, observando as coisas como elas realmente são.

Essa é uma boa maneira de sair um pouco dessa bagunça inicial que é a maternidade e tentar focar, respirar e se acalmar com essa meditação incrível.

Claro que dependendo da sobrecarga da pessoa, vale a pena pedir uma ajuda mais especializada como a terapia.

Mas se você já tem uma rede de apoio, por exemplo, a meditação vai ajudar muito!

Se você conseguir, peça ajuda. Você precisa de ajuda nesse momento e é fundamental não estar sozinha.

E se quiser, manda uma mensagem pra gente papear e trocar umas figurinhas! 😉

 

*por Renata Gordo

01maio

Dieta na gravidez e na amamentação: pode ou não?

Muita gente fala “agora você tem que comer por dois”. Embora a gente morra de vontade e ame essa desculpa, sinto muito amiga, mas é  MENTIRA! #fuéfué

Uma mulher grávida precisa de 200 a 300 calorias a mais no dia para fabricar o bebezinho. (pooooooxa, só isso?)

Pensando nisso, reunimos umas dicas de alimentação e saúde que podem ser úteis pra você!

A ideia não é comer mais por conta da gravidez, e sim comer melhor de acordo com a necessidade do seu corpo!

Grávidas podem fazer dieta?

Não é recomendado emagrecer na gestação, afinal seu corpo vai usar tudo o que ele tem de melhor para produzir o serzinho dentro de ti.  

A não ser que você tenha engordado muito e/ou tenha agravado algum quadro de saúde, daí o obstetra irá orientar sobre uma possível dieta.

Se esse não for o caso, o ideal é fazer uma dieta equilibrada.

Quando cuidamos da gente melhora muito nossa auto estima. E só quem é/foi gestante sabe da importância de estar de bem consigo! São tantas transformações hormonais, psicológicas e físicas que fica difícil manter-se sã o tempo inteiro, hehe.

O melhor é fazer uma alimentação que inclua todos os grupos alimentares: verduras, frutas (as secas também), legumes, amêndoas, carnes, cereais e os (maravilhosos) laticínios (esses aqui com moderação, desde que você não seja intolerante e que seu médico autorize).

Por mais deliciosa que seja, tente fugir das frituras, principalmente se você sofre com azia.

___________

 

Já durante a amamentação…

 

É importante saber também que seu corpo precisa de uma reserva para o período da amamentação, então se preocupe em balancear os alimentos, mas sem muita nóia com a balança.

Durante a amamentação você vai perder peso naturalmente (oba, oba!), É surpreendente como os bebezinhos engordam só tomando nosso leite… 

Você sabia que se perde até 900 calorias por dia durante a amamentação? (THANKS GOD)

Nesse período o consumo de gorduras saudáveis, como a da castanha e do abacate, são ótimas para o crescimento do bebê.

Uma guloseima de vez em quando… desde que seu médico permita e você e o bebê se sintam bem… Maravilha! 🙂 Ainda assim tente escolher as opções mais saudáveis de doces!

 

Como manter o peso na gravidez?

 

Ah, uma dica que parece bobinha, mas SUPER importante:  seus hábitos alimentares vão determinar também os hábitos alimentares do seu filho.

Então, se você não quiser ter aquelas discussões com ele sobre a importância de comer frutas e verduras, comece a comer já. Sinto dizer, mas uma das poucas verdades que a maternidade me trouxe é que as crianças aprendem muito mais pelo exemplo do que pelas nossas próprias palavras.

Pra finalizar, acho que saúde e bem estar é muito mais do que uma questão de alimentação. Cuidar da gente inclui cuidar da nossa mente, fazer atividades prazerosas e se permitir sem culpa de realizá-las. Mesmo que o tempo que a gente tenha disponível pra isso seja 5 minutinhos, dá pra fazer valer, né? E fica tranquila, esse corre corre logo passa. 🙂

Ah, e sem muita nóia com o corpo, viu? Ele muda muito e muito rápido nesse período.

Curte esse momento que vai deixar saudade!

 

 

Lí algumas dessas informações na FIOCRUZ e no Mães GNT.

04jul

Escolher bem para nutrir melhor!

Você conhece aquela frase “Comer bem para viver melhor”? Foi inspirada nela que escolhi o título deste post, muito apropriado para o contexto gestação-lactação. Isto porque a alimentação da mãe, que se aprimora da mais sublime essência do “cuidar” através da experiência da maternidade, deve ser voltada para a nutrição do filho. Portanto, escolher bem o que comer é essencial neste período!

Em primeiro lugar, devemos estar atentos à variedade alimentar, incluindo pelo menos 40 alimentos diferentes por semana, entre os alimentos recomendados para manutenção da saúde. Vou acrescentar aqui a lista que utilizo no consultório, incluindo alguns temperos, mas, caso você tenha outros alimentos na sua região, predominantemente naturais, reconhecidos como “saudáveis”, saiba que pode incluí-los na sua própria lista. Sem problemas!

comida-saudavel-gravidez

Lista de Alimentos Recomendados

Grupo 1 – Grupo dos temperos, especiarias, café e chás:

Café, mate, chimarrão, chás, açafrão-da-terra, curry, pimentas, raiz forte, salsinha, cebolinha, hortelã, coentro, cominho, tomilho, páprica, dill, gengibre, alecrim, cravo-da-índia, canela, louro, manjericão, manjerona, noz moscada, sálvia, cardamomo, erva-doce. (atenção gestantes e lactantes, antes de consumir alimentos desse grupo, consulte seu médico).

Grupo 2 – Grupo dos carboidratos de menor densidade calórica:

Alface, acelga, rúcula, escarola, chicória, almeirão, espinafre, agrião, pimentão, couve, couve-de-bruxelas, couve-flor, brócolis, aipo, nabo, rabanete, mostarda, repolho, radíquio roxo, radicche, salsão, alho-poró, abobrinha verde, quiabo, chuchu, vagem, pepino, jiló, aspargos, alcachofra, berinjela, cebola, alho, palmito, cogumelos, tomate, cenoura, beterraba, brotos, algas.

Grupo 3 – Grupo das frutas:

Abacaxi, maçã, mamão, banana, pera, morango, amora, açaí, mirtilo, cereja, framboesa, physallis, caqui, uva, melancia, laranja, limão, limão, tangerina, pomelo, manga, jabuticaba, melão, goiaba, ameixa, pêssego, romã, nectarina, pitaya, fruta-de-conde, kiwi, acerola, caju, côco (polpa), maracujá e frutas secas (ameixa, mirtilo, maçã, gojiberry, figo, uva-passa, cramberry, damasco, tâmara, banana-passa, lascas de côco, outras).

Grupo 4 – Carboidratos de maior densidade calórica:

Arroz integral, arroz selvagem, pão integral, trigo de quibe, gérmen de trigo, trigo sarraceno, aveia, cevada, centeio, amaranto, quinoa, macarrão de trigo integral, macarrão de arroz, macarrão de milho, macarrão de grão-de-bico, batata inglesa, batata doce, batata salsa, batata yacon, mandioca, milho-verde, cará, inhame, tapioca, abóbora, moranga, feijão branco, feijão vermelho, feijão preto, feijão azuki, ervilha, lentilha, soja em grão, pinhão e grão-de-bico.

Grupo 5 – Grupo das proteínas:

Carne vermelha magra, frango, peixe, marisco, mexilhão, ostra, camarão, lula, ovos, queijos brancos, tofu, proteína de soja, proteína de arroz, proteína da batata, proteína da carne, proteína do soro do leite (whey protein).

Grupo 6 – Grupo das gorduras:

Azeite de oliva extravirgem, azeite de semente de uva extravirgem, óleo de côco, abacate, castanha-do-Pará, castanha de caju, amêndoa, pistache, avelã, noz pecã, noz macadãmia, noz chilena, amendoim, semente de abóbora, semente de gergelim, semente de girassol, semente de linhaça, semente de chia, manteiga ghee, pasta de amendoim, pasta de gergelim.

Grupo 7 – Grupo dos leites, iogurtes, kefir e coalhada:

Leite de vaca, leite de soja, leite de amêndoa, leite de arroz, leite de aveia, leite de côco, coalhada, leite fermentado, kefir, iogurte de vaca, iogurte de cabra, iogurte de ovelha.

Ficou bem claro? Para ter uma boa variedade alimentar, você deve incluir semanalmente pelo menos 40 alimentos desta lista ou de uma lista que inclua outros alimentos de sua região. Faça boas escolhas!

Agora vamos fazer uma outra abordagem. Ao compor uma dieta saudável, devemos fazer com que ela seja, entre outras características, predominantemente anti-inflamatória, antioxidante e alcalinizante. Isso quer dizer que ela pode incluir alimentos inflamatórios, alimentos que não ofereçam proteção antioxidante e alimentos acidificantes, mas, no cômputo final, deve ser predominantemente anti-inflamatória, antioxidante e alcalinizante. Lembrando que “nem todo alimento saudável é saudável para você”, quero chamar a atenção para alguns”bons alimentos” que provavelmente lhe serão benéficos. São eles:

10 alimentos anti-inflamatórios poderosos:

1 – peixes ricos em ômega-3 (como salmão, anchova, linguado, bacalhau, atum e sardinha)

2 – “berries” ou frutas vermelhas (como mirtilo, gojiberry, morango, cereja, framboesa, açaí e amora)

3 – açafrão-da-terra

4 – vegetais crucíferos (como couve, couve-flor, couve-de-bruxelas, brócolis e repolho)

5 – azeite de oliva extra-virgem

6 – alho

7 – cebola

8 – gengibre

9 – abacate

10 – mamão

10 alimentos antioxidantes poderosos:

1 – Frutas vermelhas (como mirtilo, gojiberry, morango, cereja, framboesa, açaí e amora)

2 – Frutas cítricas (como laranja, limão e tangerina)

3 – Acerola

4 – Romã

5 – Maçã

6 – Cenoura

7 – Tomate

8 – Chocolate amargo e cacau

9 – Azeite de oliva extravirgem

10 – Suco integral de uva

10 alimentos alcalinizantes poderosos:

1 – Frutas cítricas (como laranja, limão e tangerina)

2 – Ameixa umeboshi

3 – Vegetais verdes, como salsinha, espinafre e brócolis

4 – Semente de abóbora

5 – Alho

6 – Pepino

7 – Germinados

8 – Chá verde

9 – Sal marinho

10 – Sal Rosa do Himalaia

Parece complicado, mas não é. As propostas não entram em conflito. Alguns alimentos até se repetem, não é mesmo? Se você precisar de ajuda, procure um/uma nutricionista para lhe orientar neste jogo inflamatório x anti-inflamatório, oxidante x anti-oxidante, acidificante x alcalinizante. Como regra geral, lembre-se de que os alimentos de origem animal tendem a ser mais inflamatórios, acidificantes e não oferecem proteção antioxidante. Alguns hábitos ritualísticos podem ser interessantes, como água morna com limão em jejum.

Desta forma, espero estar contribuindo para que enriqueça o seu hábito alimentar agora, mais do que nunca! E, sendo bem sincera, quero que se lembre sempre de mim ao fazer suas escolhas através da frase “Escolher bem para nutrir melhor“!

Beijos e até a próxima coluna!

Dra. Isabela David

Nutróloga (CRM/SC 6.356)

 

19jun

Por uma vida mais saudável (e mais magra!)

Meu corpo é teimoso. Ele assumiu um peso que simplesmente não quer baixar mais. Ele tem fé “naquele” número.

E olha que anos atrás (não muitos, juro!), bastava controlar a alimentação durante a semana e pronto! Lá iam embora os malditos quilos todos, junto com aquele culote perigoso, a papada saliente e o bracinho de polenteira. Ui, saudade!

Hoje faço tudo isso simplesmente pra não engordar, mas ainda assim, parece que a balança consegue aumentar de vez em quando (ô injustiça!).

Claro que, por trás disso tudo, tem a questão mais importante: a saúde. Ainda que por pura estética eu não esteja satisfeita, quero ser uma velhinha porreta.

Resolvi então procurar uma profissional pra me ajudar, foi aí que conheci a doutora Isabela David, médica nutróloga que se dedica a engenharia aplicada ao tempo de vida saudável, em outras palavras, a envelhecer com saúde. E claro que, no meu caso, saúde tem tudo a ver com emagrecimento. (uma cajadada, dois coelhos!).

O trabalho consiste em um super mapeamento sobre a minha saúde e um tratamento individualizado, inclusive com orientação alimentar. Estou amando, em outra situação, conto mais pra vocês!

Fiquei tão encantada com o trabalho que convidei a Isabela pra ser parceira do blog, e a partir de agora vocês vão poder contar com alguns textos dela por aqui também.

Confira a primeira coluna! Hoje com uma pequena introdução minha, uma forma de apresentá-la a vocês 🙂

_________________________________________________________________________________________

 

Nem todo alimento saudável é saudável pra você! (por Isabela David)

dieta-saudavel

Hoje estou começando uma coluna no Agora sou mãe. É a minha segunda experiência com uma coluna em um site. Tenho que dizer que a melhor recordação daqueles anos em que escrevia semanalmente para o site da ABRAN são as mensagens carinhosas que recebia de meus “seguidores”, ou seja, aquelas pessoas que gostavam de dividir comigo o prazer da leitura dos meus artigos, o prazer de receberem as informações que eu tão prazerosamente a eles estendia.

Não posso deixar de comentar que gosto muito de lidar com gestantes e lactantes, especialmente as mães de primeira viagem que se sentem pisando em “terras desconhecidas”, quando cada passo tem que ser dado com extremo cuidado. E é verdade: a experiência de ser mãe nos faz mergulhar no significado do “zelo” em uma dimensão que (geralmente) não conhecíamos até então. Uma experiência única. No meu caso, como médica nutróloga, sinto que minhas pacientes gestantes e lactantes depositam em mim a expectativa de lhes assistir nesta caminhada, de estar ao seu lado, tirando as dúvidas que inevitavelmente lhes inquietam. E como não?

Então, para começo da nossa conversa, preciso deixar uma coisa bem clara: quando comentar sobre um determinado alimento, nunca estarei exatamente recomendando que você o ingira. A Medicina Genômica, que foi se constituindo após a conclusão do fantástico Projeto Genoma Humano, concluído em 2003 – projeto internacional que identificou e realizou o sequenciamento de nossos genes – nos coloca muito claramente:

Nem todo alimento considerado saudável, é saudável pra você.

A partir dessa ideia, tenho como intenção nos meus textos:

  • Despertar para a inclusão de determinados alimentos em seu hábito alimentar, desde que você se sinta bem ao consumí-los.
  • Propor determinadas combinações de alimentos que favorecem um melhor equilíbrio metabólico ou o controle do peso
  • Detalhar a adequada oferta de nutrientes para a saúde do feto e do lactente, assim como para a sua saúde

Mas nunca estarei afirmando que algum alimento específico lhe é recomendado. Isto porque, hoje sabemos, toda dieta deve ser individualizada!

De fato, a Medicina Genômica é dita “Mais Personalizada” porque passamos a entender que nossos genes influenciam a nossa resposta à dieta, conhecimento enraizado na ciência conhecida como Nutrigenética, um dos pilares da Nutrição do Século XXI. Além disso, temos as particularidades decorrentes de processos de doença ou desequilíbrios orgânicos, como a disbiose intestinal e as intolerâncias alimentares adquiridas.

Espero contribuir da melhor forma possível para que todas as gestantes e lactantes que acompanham o Agora sou mãe desfrutem de uma alimentação que contribua para a saúde de seus filhos ao longo da vida, uma vez que a alimentação correta nestas fases de desenvolvimento deste novo ser em formação repercute até mesmo na fase adulta, estando estreitamente vinculada à escolha “correta” dos alimentos.

Dra. Isabela David

Nutrologia Preventina

Contato: isabela.nutre@gmail.com

 

26abr

10 coisas que você precisa fazer antes do parto

Sabe aquelas coisas que você precisa fazer antes do bebê nascer? Pois é. Na verdade são mil, eu sei.

Dando uma fuçada pra relembrar, escolhi o que eu acho realmente necessário que seja feito antes da hora!

 

1 – Instalar a cadeirinha do carro

instalar-cadeirinha-do-carro

Na correria, duvido que tu vais ler o manual! Então deixa a bichinha no carro, devidamente instalada e preparada!

 

2 – Encontrar o pediatra

escolha-do-pediatra

Como a primeira consulta do bebê é com apenas 7 dias de vida, escolher após o nascimento é quase uma missão impossível.

 

3 – Lavar as roupinhas do bebê

lavar-roupa

Lerê, Lerê! Minha mãe fez questão de lavar à mão, mas euzinha aqui, em tempos máquina de lavar que só falta falar, testaria o ciclo “roupa de bebê”. Mas minha mãe ama um tanque (e é verdade!).

 

4 – Congelar e preparar sua comida

Faça sua própria comida congelada, várias porções, pra quando você quiser ficar sozinha e não depender de ninguém – nem do fogão!

 

5 – Decidir como e quem será informado do nascimento

whatsapp

Uma ótima ideia é criar um grupo no whatsapp com as pessoas que você quer informar. É legal dizer como e quando gostaria de ser visitada. Mas deixa isso pro pai ou qualquer pessoa da sua confiança.

 

6 – Comprar uma capa protetora pro seu colchão e duas para o do bebê

capa-de-colchão

Pra você, em caso da bolsa estourar ou quando o bebê domir na sua cama. E ele vai, nem que um cochilo da tarde!

E claro, pro berço! Na cama do Dudu, hoje tenho uma só, volta e meia o colchão é atingido. Tipo lei de Murphy: capa lavando signfica xixi no colchão.

 

7 – Deixar as malas prontas

mala da maternidade

Aqui eu fiz um post sobre o que levar na mala de maternidade! Claro que é uma sugestão com base nas minhas necessidades, mas dá pra ter como base!

 

8 – Deixar a casa limpa, elimine as pilhas de roupas pra passar e lavar

Se acumular, será um caminho sem volta por um longo período. Um bebê tem o poder de sujar mais roupas do que um exército inteiro.

 

9 – Tenha álcool gel em casa e na maternidade

alcool-gel

Se já era recomendado, em tempos de H1N1 vira praticamente uma obrigação! E ai da visita que não lavar as mãos.. hehe. As maternidades e hospitais já oferecem, mas sempre é bom uma dose extra.

 

10 – Comprar absorventes pós parto

Isso é uma experiência bem pessoal. A minha maternidade forneceu um par e lá foi minha mãe correndo comprar mais. O sangramento depois do parto (no meu caso, cesárea) é muito intenso.

Claro que ainda tem aquela frufruzada toda, como as lembrancinhas da maternidade, enfeite de porta, etc. Mas embora seja tudo lindo, não é exatamente uma necessidade!

Beijos,

Bia.

24abr

Dia mundial da meningite

Meningite_Crianca_Final

24 horas.

Esse é o tempo necessário para a meningite se manifestar e colocar em risco a vida de um bebê, criança ou adulto. Quando não é fatal, a doença tem grandes chances de deixar sequelas para uma vida toda.

A cada ano, cerca de 1 milhão de pessoas são atingidas pela meningite, que tem rápida ação e difícil diagnóstico.

Hoje, dia 24 de abril, é o Dia Mundial da Meningite. 28 países e inúmeros parceiros espalhados pelo mundo estão unidos para conscientizar a população da complexidade dessa doença e importância da vacinação como principal forma de prevenção. Falando nisso, você já vacinou seu filho?

Como parceira da campanha #VençaaMeningite, não poderia deixar de compartilhar histórias de vida de dois atletas que, apesar das severas sequelas deixadas pela doença, são motivo de orgulho e superação e vão representar nosso país esse ano.

Tive o prazer de conhecê-los no evento de abertura da campanha.

Como mãe, é impossível não se emocionar ainda mais.

 

O site Casa de Vacinas informa local mais próximo de você para vacinar seu filho.

Neste post aqui, você também encontra mais informações.

 

#gsk, #meufuturocampeao, #juntoscontramenengite e #vençaameningite

post-patrocinado