05maio

A classe das mulheres possíveis

Não é de hoje que eu sou fã de Kate Middleton. Tá certo de que muito dessa imagem pode ser construída por bons marqueteiros, mas a campanha da bicha é tão boa que me convence e comove, #mejulguem.

E como nessa semana não se fala de mais nada além do nascimento da princesa Charlotte Elizabeth Diana, resolvi puxar um assunto inspirado pela realeza.

A duquesa de Cambridge ganhou os corações do povo pela simplicidade que procura demonstrar, desfilando com pecinhas baratéx (tenho até um colar igual ao dela… #agorasouprincesa), dirigindo seu próprio carro uma semana antes de parir e, claro, mostrando que é gente como a gentem ao sair da maternidade exibindo sua barriguinha saliente – pela segunda vez – ao invés de se enclausurar,  aparecendo linda e esbelta semanas depois.

kate-saindo-hospital
Willian, Kate e Charlotte saindo da maternidade

 

Lembram que rolou maior polêmica sobre isso na primeira gravidez de Kate Middleton?

Pelo jeito, são coisas de Kates.

A atriz Kate Winslet meteu um sincerão de tirar o chapéu, após sua última gravidez:

“Existe uma parte bem grande de mim – agora mais do que nunca – que tem um senso de responsabilidade sobre a maneira com que outras mulheres se enxergam. Ter um bebê, por exemplo. Eu estive ativamente numa dieta pra perder o peso da gravidez? Não, não estive. Eu genuinanemte não estive mesmo. Não quero, de verdade, ser uma dessas mulheres ‘oh, uau, ela está de volta a forma em apenas doze semanas’. Quando leio coisas assim eu só penso, “Ah, pelo amor de Deus, isso é absolutamente impossível. Quero manter minha saúde, a minha sanidade, estar bem alimentada e feliz. Meu corpo nunca vai voltar ao que era antes, e eu não esperaria que voltasse depois de três bebês.”

Kate Winslet linda, exibindo sua pele madura.
Kate Winslet linda, exibindo sua pele madura.

E gente, posso falar? É libertador ver que essas mulheres tão influentes, de alguma forma, representam a nossa classe.

A “crasse” das vaidosas sim, escravas da beleza jamais!

A classe das que amam um bom PF e não abrem mão de alguns prazeres da vida.

A classe de quem acredita que ser feliz é ser mais do que ser um pedação de carne perfeito.

A classe que sim, se cuida e busca saúde, mas que busca o possível e respeita seus limites.

A classe das mulheres reais!

 

Esses dias eu li em algum lugar a seguinte frase:

“Não fique triste se você não se parece com a mulher da capa da revista. Nem ela mesma se parece com a mulher da capa da revista.”

Achei a mais pura verdade!

Beijo.

Deixe um comentário