04ago

É possível aumentar a produção de leite materno com a alimentação?

Como aumentar a produção de leite? Quais os alimentos recomendados na amamentação?

Se você está passando (ou já passou) pela amamentação, é bem provável que já tenha pesquisado isso em algum local.

Convidei minha nutróloga, Dra. Isabela David (a mesma do post anterior) pra falar sobre a alimentação da mãe durante a o aleitamento materno. Então o post continua com as palavras ela, claro!

Como aumentar produção de leite materno

***

O primeiro critério da escolha dos alimentos é lembrar que “nem todo alimento saudável, é saudável para você”. O segundo é a variedade alimentar: varie bastante.

No consultório, aplico um índice de variedade alimentar. Quanto aos alimentos considerados “galactagogos”, ou seja, que aumentam a produção de leite, existe muita controvérsia sobre isso. Sou superfã de um mingauzinho de aveia (com ou sem gluten) com morangos e mirtilos no desjejum! É a minha opção favorita! São citados, além da aveia:

–       Canjica

–       Gengibre

–       Macadâmia

–       Amêndoas

–       Gergelim preto

–       Sementes de algodão

–       Mamão verde

–       Alho 

–     Cominho 

–       ervas como fenogrego (Trigonella foenum-graecum), cardo mariano (Silybum marianum) e galega (Gallega officinallis), mas existem algumas restrições no seu uso (é preciso individualizar a prescrição).

Um pouco de intuição geralmente funciona também! (rs) 

Sempre acrescente as folhas verdes escuras, os frutos cítricos, cenouras, leguminosas (como o grão de bico e a lentilha), peixes, ovos, óleo de côco, azeite de olive extravirgem, entre tantas opções alimentares que temos disponíveis! A Weleda, uma empresa que respeito bastante, que segue uma linha antroposófica, tem um produto muito bom, chamado Chá Misto da Mamãe. Existem medicamentos que também aumentam a produção de leite, mas isso deve ser visto apenas com o seu médico, caso seja necessário.

Sobre os líquidos: Muita água. Sem sombra de dúvida, a água mineral e a água de côco são certamente as melhores opções. Um pouco dos sucos naturais de frutas também podem ser usados, mas recomendamos sempre cuidado com a questão calórica e de índice glicêmico. Lembramos que a cafeína pode passar para o leite e agitar o bebê. Cuidado com refrigerantes, cafés e chás ricos em cafeína, como o chá preto e chá verde. Não recomendo a ingestão de álcool durante a amamentação, embora a cerveja preta seja descrita como boa para a produção de leite. Talvez em um frango assado na cerveja! rs..

Também sou a favor da suplementação durante a amamentação (claro, que com acompanhamento médico!).

Em primeiro lugar, o DHA, ou ácido docohexaenoico. Uma gordura muito importante para o desenvolvimento neurocognitivo e visual do bebê. Na realidade, deve-se começar a ingerir pelo menos a partir da segunda metade da gestação. Mas uma fórmula vitamínico-mineral de “amplo espectro” também é muito importante. Isto significa conter a maioria dos nutrientes essenciais (vitaminas A, K, D, E, C, complexo B, cálcio, magnésio, zinco, cromo, manganês, molibdênio, ferro, selênio, entre outros) importantes para a saúde da mãe (a composição do leite materno não muda), para que ela possa manter a amamentação durante, pelo menos, os 6 meses recomendados, desfrutando desta oportunidade tão maravilhosa na vida da mulher! Sistematizar a oferta dos nutrientes através das cápsulas é muito importante!

Cuide-se!

20ago

I congresso catarinense de aleitamento materno

No próxima terça-feira, 25/08 vai acontecer o I Congresso Catarinense de Aleitamento Materno. Um evento gratuito e aberto ao público, na Assembleia Legislativa.

O objetivo do evento é esclarecer profissionais da área saúde, gestantes e lactantes sobre a amamentação e o primeiro ano de vida do bebê. Estarão em pauta os direitos da mulher que amamenta, dicas e orientações sobre amamentação, cuidados com recém nascido, além de debates e rodas de conversa.

O evento traz profissionais super respeitados e referência em todo o país. Uma oportunidade única de tirar todas aquelas dúvidas que as mães de primeira viagem têm com quem mais entende do assunto: pediatras, médicos, enfermeiras e nutricionistas.

Interessou? Você pode se inscrever em http://escola.alesc.sc.gov.br/eventos ou ligar (48)3239-1573

Restam poucas vagas!

amamentação

Abaixo a programação completa do evento.

Para acessar o flyer:  I Congresso Catarinense de Aleitamento Materno

08h15 às 08h45

Abertura Oficial

08:45 – 09:15: Política Nacional – Mulher trabalhadora que amamenta

Fernanda Monteiro – Coordenadora das Ações de Aleitamento Materno na Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde. Coordena o Comitê Nacional de Aleitamento Materno.

09:15 – 10:00: Abordagem Sistêmica na Prática do Aleitamento Materno

Dra. Lylian Dalete Araújo – Professora aposentada da Universidade Estadual de Londrina.Consultora do Ministério da Saúde pela Rede Amamenta Brasil. Tutora da Estratégia Amamenta Alimenta Brasil. Sócia Fundadora da Deleite Educação e Cuidado em Aleitamento Materno.

10:00 – 10:30: A hora mágica – a primeira hora de vida do recém-nascido

Elisabeth Kuehn de Souza – Coordenadora do Banco de Leite Humano de Blumenau. Presidente do Comitê Regional de Aleitamento Materno do Médio Vale do Itajaí. Consultora em Aleitamento Materno pelo IBLC. Membro da Rede IBFAN Brasil. Membro da REHUNA

10:30 – 10:45 DEBATE

10:45 – 11:15 Iniciativa Hospital Amigo da Criança – IHAC: situação atual e perspectivas futuras em SC

Dra. Evanguelia  Kotzias Atherino dos Santos – Professora do Curso de Graduação e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Santa Catarina. Consultora do Ministério da Saúde Área da Criança e Aleitamento Materno. Consultora Internacional em Aleitamento Materno. Membro efetivo da International Baby Food Action Network – Rede IBFAN.

11:15 – 11:45 A importância dos  primeiros   300 dias, o cuidado com os recém nascidos, da  gestação ate  o 1º mês de vida do bebê.

Dr. Cecim El Achkar – Médico pepediatra, da Associação de Pediatras do Hospital Florianópolis.

11:45 – 12:30 DEBATE

12:30 – 14:00 Almoço

14:00 – 14:45 O desmame precoce e o stress tóxico infantil e suas repercussões sobre a relação criança família.

Dr. José Martins Filho – médico pediatra, Prof. Titular, Emérito de Pediatria da UNICAMP, Presidente da Academia Brasileira de Pediatria, Membro Titular da  Sociedade Brasileira de Médicos Escritores.

14:45 – 15:00 DEBATE

15:00 – 15:30 Direitos trabalhistas da mulher trabalhadora que amamenta.

Desembargador Dr. Amarildo Carlos de Lima – do Tribunal Regional do Trabalho do Estado de Santa Catarina. Gestor Regional do Programa Trabalho Seguro em Santa Catarina.

15:30 – 16:00 Aconselhamento – a arte de escutar, atitude e postura do profissional frente à nutriz e sua família.

Sonia Silva – Enfermeira Obstetra, responsável pelo Aleitamento Materno na UNIMED Grande Florianópolis.

16:00 – 16:15 DEBATE

16:15 – 16:30 Intervalo Café

16:30 – 17:00 Bancos de Leite Humano no Brasil e em Santa Catarina: segurança alimentar e nutricional na atenção neonatal.

Dra. Maria Beatriz Nascimento – Médica Neonatologista e Coordenadora Técnica Do Banco De Leite Humano Da Maternidade Darcy Vargas – Joinville (SC). Prof. da Área Materno-Infantil Curso de Medicina da Universidade da Região de Joinville – Univille. Consultora Internacional De Lactação (International Board Certified Lactation Consultant – Iblce). Membro Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade Brasileira de Pediatria.

17:00 – 17:45 Experiências Exitosas – Aleitamento Materno na Atenção Básica – Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil – EAAB

Alessandra Monestel – Nutricionista. Mestre em Saúde e Gestão do Trabalho. Responsável pelo serviço de Nutrição da Secretaria Municipal de Saúde de Itajaí – SC. Membro do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional do município de Itajaí. Facilitadora Estadual da EAAB.

Janine Guimarães – Nutricionista. Especialistaem Nutrição Clínica e Clínica Funcional, Saúde da Família e Gestão da Clínica. Facilitadora Nacional da EAAB. Responsável pela Área Técnica de Alimentação e Nutrição da Atenção Básica à Saúde  da SMS de Joinville.

Moderadora – Enfa. Dda. Marcia Sueli Del Castanhel – Coordenadora da Saúde da Criança/Capital Criança da SMS Florianópolis, Presidente do COMAMAS. Facilitadora Nacional da EAAB.

04ago

Agosto dourado e os benefícios da amamentação

Você pode imaginar que só porque eu não consegui amamentar eu não apoie a amamentação. Não é verdade.

Amamentar é difícil no início sim. Eu insisti por mais de um mês e, no meu caso não deu certo. Pra entender melhor, leia esse post onde conto minha experiência com a amamentação. Isso não significa que com você será assim. E comigo no futuro também. Espero amamentar meu próximo filho (ainda não encomendado, calmaê!) e que eu tenha uma experiência tranquila ao amamentar, o que infelizmente não vivenciei.

agosto-dourado

Não poderia deixar passar em branco aqui no blog o Agosto Dourado, mês dedicado exclusivamente à importância da amamentação. Em Floripa, a Hora do Mamaço aconteceu no último sábado, dia 01/08 no parque de Coqueiros, mas o movimento acontece paralelamente em várias cidades do Brasil.  A ideia é reforçar a importância do aleitamento materno para toda a sociedade, alertando empresas e pessoas que lidam com as mães que amamentam (ou seja, o mundo!), além das próprias mães, é claro.

Pra entender melhor os reais benefícios da amamentação, recomendo um post muito bem escrito pela minha amiga Shirley, do blog Macetes de Mãe. LEIA AQUI.

E só pra lembrar, caso você esgote as tentativas e não consiga, jamais se culpe por não amamentar. Hoje eu não ficaria tão abalada e compartilhei minha (não tão boa) experiência única e exclusivamente pra vocês não se sentirem assim! Porque juro, culpa é tempo perdido. Vai beijar o cangote do neném que é a melhor coisa que tem. (rima brega desmoralizou o post, foi mais forte que eu)

Um beijo!

Bia

 

 

 

01dez

Dicas sobre amamentação, uso de mamadeiras e chupetas.

Hoje trago um post bem explicativo sobre amamentação e suas alternativas, escrito por uma fonoaudióloga da Clínica Renove, nossa parceira.

dicas-gerais-amamentação

Importância da Amamentação:

O ato de sugar nasce com o bebê e é um reflexo de alimentação, pois visa a ingestão de leite materno, ideal para o recém-nascido. Além disso, o exercício desempenhado pelo bebê no ato de sugar o seio materno colabora para que a sua musculatura orofacial desenvolva-se de forma mais adequada, possibilitando força e tônus mais aptos a desempenhar as funções de sucção, deglutição e, posteriormente, a mastigação e a fonação, além de contribuir também para a respiração nasal.

É importante a observação de posição do bebê durante a amamentação, uma vez que esteja mal posicionado, pode acarretar inflamações no ouvido (otites), trazendo desconforto para o bebê.

A postura para alimentar seu bebê é muito importante. A criança nunca deve estar deitada. Nesta posição há o deslocamento do leite para o ouvido através da tuba auditiva (que na criança é mais curta e horizontal), ocasionando otites freqüentes. Esta posição facilita também o regurgitar da criança pois a musculatura que forma o esôfago e o estômago ainda são imaturas, e torna-se mais difícil realizar sua função. Deve-se então alimentar o bebê inclinado aproximadamente 45 graus e após a alimentação deve-se deixar o bebê deitado para o lado direito e com a cabeça mais inclinada para cima, favorecendo o escoamento gástrico.

 

Mamadeiras e chupetas:

Se por algum motivo não acontecer o aleitamento materno, sugere-se às mães que optem por bicos de mamadeiras que mais assemelhem-se ao seio materno. As mamadeiras comuns tem o bico muito longo e, algumas vezes, muito largo

Quando o bico e o furo da mamadeira são inadequados, o bebê realiza somente a primeira fase da amamentação, que é a ingestão de leite, faltando a segunda fase, na qual o bebê fortalece os músculos da face, estimula a produção do leite, estabelece o vínculo com a mãe e sacia sua necessidade de sucção.

O furo do bico da mamadeira nunca deve ser aumentado pois agrava os prejuízos da amamentação artificial e incoordenação na sucção-deglutição-respiração. Além disso, o bebê não está acostumado a grandes quantidades de leite em pouco tempo, proporcionando cólicas, engasgos e até vômitos. O ideal é que virando-se a mamadeira ela apenas goteje.

Criticada por alguns e defendida por outros, a chupeta não chega a ser um vilão, quando usada racionalmente. Mas, quando usada por períodos prolongados, poderá deixar seqüelas no bebê, como mal posicionamento dentário, desvio no crescimento dos maxilares e alteração na deglutição, mastigação, respiração e fala.

Dar preferência sempre a chupetas e mamadeiras com bicos ortodônticos do tamanho adequado para a idade do bebê. Tanto a chupeta quanto o bico da mamadeira devem ser trocados assim que detectadas rachaduras e manchas brancas e por motivos de higiene.

 

Fonoaudióloga: Angela Bernardino Battistotti

CRFa: 8683/SC

Especialista em Motricidade Orofacial

BANNER 690 X 90