30abr

Alimentação e onde ficamos em Orlando

Mais um da saga Disney!

ALIMENTAÇÃO

Quando o Dudu tinha dois anos eu fiquei pirada com a questão da alimentação, levei papinha na mala, fazia marmitinha, sem falar no stress que aquela preocupação toda me gerou. Agora, com 4 anos, dei uma bela desencanada: férias são férias!

Eu e Tiago um comemos de tudo um pouco, muitos restaurantes estilo americano mesmo – Dennys, Perkings, Cheesecake Factory, Outback e toda essa porcariada, sem falar, claro, nos fastfoods McDonalds e afins. Mas o Dudu não curtiu muito essa vibe junk (graças a Deus), na verdade até a gente encheu o saco!

Dois restaurantes brasileiros salvaram a nossa vida! Camilas e Gilsons: Comida maravilhosa, feijão delícia, farofinha e carne boa. Os dois nota MIL! Pra quem vai com criança é indispensável, muitas vezes levávamos só o Dudu pra comer e a gente ia pra outro lugar. O valor por pessoa era algo em torno de 15 a 20 dólares.

IMG_7747
Nós no T-Rex
alimentação-orlando
Foto grande: restaurante brasileiro. Foto topo: macarrão na Cheesecake Factory. E na úlitma: recorremos ao miojão emergencial.

 

Em Downtown Disney fomos ao T-Rex, foram quase 2 horas de espera entre chegar e comer, mas o restaurante é super legal e as crianças amam – ou morrem de medo dos dinossauros, não foi o caso do Dudu, ufa!

Compramos bastante comida pra fazer no hotel, escolhi um quarto com cozinha completa justamente pra poder cozinhar e evitar tanta porcaria, mas quase sempre dava preguiça de cozinhar. Mas rolou um macarrãozinho a bolonhesa, burritos, e… me julguem: um miojão pro Dudu.

Barraquinha de frutas no Animal Kingdom, foto roubada do @agorasoumae
Barraquinha de frutas no Animal Kingdom, foto roubada do @agorasoumae

Nos parques da Disney há muitas barraquinhas de frutas de todo tipo. Dudu come bastante fruta, então foi muito bom ter a opção lá dentro. Pode levar comida pros parques, muitas famílias optam pelas suas marmitinhas, o que eu acho super válido no caso de restrições alimentares e dos pequenos (dos menores ainda, no caso), ou de quem é uma mega mãe super empenhada, o que não é meu caso. A comida dos parques, em si, era ruim. Existem vários tipos: hambuger, pratos com carnes e acompanhamentos, pizza, massas.. mas achei tudo com gosto de miojo-tempero-pronto-condimentos-sazon. Assim como 90% de todo resto que comi por lá.

Maravilha do mundo. Oreo Cheesecake. Segunda maravilha: Chocolate quente da Godiva.
Maravilha do mundo. Oreo Cheesecake. Segunda maravilha: Chocolate quente da Godiva.

Fomos em um sushi muito bom, chama MoonFish Grill, comemos uma variedade de peças – que me perdoem não lembro o nome – e valeu super!

HOSPEDAGEM:

Ficamos hospedados no Sheraton Vistana Villages, uma espécie de condomínio com sistema de hotel, uma mega estrutura externa com 4 piscinas grandes, 2 academias, sala de jogos, bares, quadras, restaurante, etc. Achei que o serviço e a qualidade do restaurante deixou a desejar, e um funcionário insistente ligava pra gente todos-os-santos-dias oferecendo um “café da manhã” de 90 minutos e um bônus de 100 dólares pra gente ouvir uma tal palestra. Pra quem não sabe, eles queriam nos vender uma cota de Time Sharing dos hoteis da rede, falei pro Tiago que iria pelos “cenzinho” e negaria na cara de pau – tempos de crise, ne?.. Mas ele me proibiu hahaha. Mesmo demonstrando desinteresse – tive até que ser ríspida, o coitado continuou nos ligando – e nos acordando – até quase o final da estadia.

Fora isso, gostei!

Essa nossa viagem foi super light, a gente tava sem roteiro, fazia o que tava afim na hora que a gente queria.. sem obrigações e horários de acordar (tá, poderia ter sido melhor se o INFILIZ não tivesse nos acordado quase todos os dias, sem que a gente solicitasse). Nos últimos dias despluguei o telefone, e ficamos em paz!

Beijoca!!

PS: Prometo intercalar os assuntos do blog pra não ficar na mesmice.. vou dar um tempo de Disney hehe.

24abr

Qual a melhor idade para uma criança na Disney?

Oeeeeee!!! Gente que sumiço, to devendo alguns posts sobre a Orlando e a Disney.. e o primeiro deles é uma opinião beeeem pessoal sobre qual a melhor idade pra levar meu fiho pra lá.

Pra quem não sabe, levamos o Dudu à Disney ano retrasado, pela primeira vez. Ele tinha 2 anos exatos (na verdade voltamos um dia antes dele completar 2, porque não pagamos passagem! :P). A viagem foi sensacional, vocês podem ver acessando esses posts aqui:

Disney e dicas para viajar com crianças

Disney e mais dicas: parte 2

Diário de viagem da Disney 

Diário de viagem da Disney – Parques e mais dicas

5 dicas rápidas de como poupar tempo e dinheiro em Orlando

Este ano resolvemos voltar, dessa vez o Dudu com quase 4. A cobertura das fotos tá lá no meu instagram @agorasoumae, também deixei várias dicas por lá! Essa evolução das redes sociais roubou um espacinho aqui no blog, mas to juntando tudo num post só pra facilitar a vida de vcs aqui no blog #agorasouboazinha.

Dudu com 2 anos - Hollywood Studios
Dudu com 2 anos – Hollywood Studios
qual a melhor idade para crianças na disney
Dudu, com 4 anos – Magic Kingdom

 

Mas as perguntas que todo mundo me faz: Vale à pena levar pra Disney tão pequeno? Com 2 anos eles já entendem, aproveitam e lembram? E com 4? Foi diferente? Ele aproveitou mais?

TODA criança aproveita, claro que conforme sua idade. A pergunta correta deveria ser: Qual a melhor idade das crianças para os pais as levarem na Disney? O quanto os pais estão dispostos? Porque pros pequenos, sempre é ótimo.

Explico!

Com 2 anos: Foi mágico pro Dudu (e pra gente!), fizemos uma viagem em família maravilhosa, ele AMOU conhecer todos os personagens e graças a Deus teve paciência nas filas, não aproveitou tanto os brinquedos, mas ficou encantado com as paradas, shows e com a experiência da viagem em si. E ele lembrou espantosamente de vários locais, brinquedos, etc.

Para nós, pais, foi cansativo. A questão da alimentação pegou bastante, a gente fazia marmitinha pros parques, levei várias papinhas da nestlé na mala pra casos de emergência (e dei mesmo, me julguem), o ritmo da viagem foi todo adaptado pro Dudu (da mesma forma aos 4 anos).

Se eu me arrependo? NEM PENSAR! Foi indescritível, canseira gostosa! Faria tudo de novo. Só o fato de estarmos unidos em uma viagem sem incomodações de trabalho já valeu à pena. Ainda mais que o destino foi a DISNEY!

Com 4 anos: Foi mágico pro Dudu (e pra gente!). As expectativas dele eram mágicas, ele teve mais compreensão do que estava acontecendo, deu bem menos canseira na gente em quase todos os aspectos, exceto em um: “ME DÁ ISSO, QUERO AQUILO, COMPRA ISSO”… incessantemente! Mas faz parte da idade, independente do local, parecia tronco em enchente parando de galho em galho kkkk.. a gente vivia desviando das lojas de brinquedos porque qualquer hora era hora de presente (na cabeça dele, claro!).

A alimentação foi bem mais sossegada, a gente recorreu bastante aos restaurantes brasileiros (Camila’s e Gilson’s – recomendo comidinha mara, arroz, feijão, farofa, picanha.. hmm! Mas quando tinha que comer uma porcaria, ué, na terra do tio sam era liberada. Sem falar nas preocupações dos pais com crianças de 2 e 4 anos. O Dudu com 2 era um furacão, não parava do nosso lado, com 4 uma mini pessoa com seus momentos de compreensão e um ipad guerreiro que sossegava o menino quando a gente precisava. Conseguimos curtir até como casal. O Dudu é tão parceiro que dormia no carrinho pra gente passear!

Enfim minha gente.. as duas idades tem prós e contras, mas se eu tivesse que escolher uma delas, seria essa última viagem. Mas pensando em mim, como mãe. Porque pra eles, tudo é farra! Compra a passagem e se joga! 😛

Espero ter ajudado.

 

 

 

25fev

Caderno do Pré Natal saudável [dica da boa!]

Eu fiquei PASSADA com a quantidade de informações úteis que o Caderno de Atenção ao Pré Natal possui.

pre-natal-dicas-gestanteÉ um documento – um livro, bem dizer – criado pelo Ministério da Saúde que abrange tudo sobre a saúde da gestante e do bebê, inclusive no pós parto. Eu descobri hoje totalmente por acaso, navegando sem rumo.

Vale à pena baixar o arquivo em PDF e ter como uma espécie de guia (claro que nada substitui a consulta médica, tá?) As orientações são bem claras e os temas são os mais diversos possíveis, tudo organizado e separado no sumário.

Lá tu encontras as fórmulas pra calcular o teu ganho de peso saudável, informações e dicas sobre alimentação, possíveis infecções e doenças na gravidez, cálculo da idade gestacional e data prevista do parto, lista de exames, saúde bucal, pós parto (depressão pós parto entre outros assuntos), além de todas as questões legais da gravidez (direitos da gestante e do pai), entre outros milhares de assuntos.

Informação boa nunca é demais!

12nov

Recuperação da cirurgia de adenóide e amídalas

Continuando o post anterior, sobre a cirurgia do Dudu.

Como foi a cirurgia de retirada da adenoide e amídalas?

Depois de uma noite em claro pela preocupação típica de qualquer mãe e pai, às 06:30 da manhã, chegamos no centro cirúrgico. O processo de dar entrada da documentação pareceu eterno. Dudu tava calmo e acordado, sem entender muita coisa. A gente tentou explicar: “tu vais tomar um remedinho, tirar um sono e a dra. Fernanda vai arrumar teu narizinho pra respirar melhor. No início vai ser chatinho (palavra que a gente usa quando ele passa por algum sacrifício, normalmente pra remédios ruins), mas vamos tomar sorvete o dia todo e ver muitos filmes.” Pra idade, achei que não cabia muito mais que isso.

Fomos direto pro quarto e a enfermeira deu o remédio para ele dormir, antes de fazer a anestesia. Ele foi ainda acordado pro centro cirúrgico – embora grog. Deu barato nele. Ele via bichos, tentava pegar e dizia: ui, que nojo! Sai bicho.. Deduzimos que era o olhar formigando. Foi ótimo. A gente se distraiu e demos boas risadas do Dudu bebinho.

Chegou a dita hora. Coloquei aquela roupinha verde e levei meu bebum no colo pro centro cirúrgico.

Aquela hora interminável foi o suficiente pra gente sair e tomar um café. O Tiago sem apetite e eu querendo devorar absolutamente tudo que tinha na padaria. Os dois extremos reagindo à ansiedade.

Pra nossa surpresa, quando voltamos, a cirurgia tinha acabado. Dessa vez, coloquei meu uniforme verde com muita pressa e fui correndo pra sala de recuperação. Ele já estava acordado, com aparência boa e ouvi o chorinho dele como um alívio.

Logo no início da tarde ele já tomava seu primeiro sorvetinho. E graças à Deus, fomos embora no mesmo dia.

 

Como foi a recuperação?

MUITO melhor do que eu esperava! Incrível como as crianças conseguem nos surpreender em tudo. Mesmo passando por uma intervenção um tanto invasiva, achei que a aparência dele estava ótima, e logo no primeiro dia já arriscou uma dancinha. Ele entendeu que quanto mais ele chorava ou falava, mais doía. Então ficou mais quietinho e tranquilo.

No segundo dia eu já tive que segurar a fera, ele queria pular da cama e fazer peripécias. Daí pra frente foi só ladeira abaixo.. ninguém mais segurava o Dudu véio.

 

E a alimentação após a cirurgia?

No primeiro dia ele quase não comeu, o que eu sinceramente já esperava. No segundo dia eu inventei tudo que era tipo de papa gelada, mas o que ele aceitou mesmo foi o sorvete, vitamina de frutas e abacate. Acho que nunca joguei tanta comida fora, ele torceu o nariz pra quase tudo que eu fiz. Tentei inclusive um feijão batido e purê geladinho e papinhas funcionais, mas nem tchum. Nos 3 primeiros dia só doce gelado mesmo.

No quarto dia ele já não aguentava olhar pra sorvete e texturas paposas. Comecei a introduzir banana bem picadinha, micro pedaços de melancia e a salvadora da pátria, nossa querida polenta, já na temperatura ambiente.

No quinto dia fiz um arroz branco bem cozidinho com caldinho de feijão e ele aceitou super bem.

Daí pra frente, tenho uma pequena draga dentro de casa que assalta a geladeira a cada 10 minutos e come o dia todo, sem parar. E como ele tá comendo!

 

A partir de quanto a gente começou a perceber as melhorias? Quais foram as mudanças após a operação?

Na primeira semana confesso que fiquei ansiosa demais pra ver os resultados. O ronco trator sumiu desde o primeiro dia, mas a respiração bucal durou quase 7 dias. Por conta da retirada das amídalas ele teve alteração na voz, ficou mais agudinha, e também ficou com a voz anasalada (ou fanho mesmo). A gente se preocupou achando que poderia ser definitivo, mas tá tudo certo, cada dia tá melhor! Enquanto não apresentava sinais de melhora, dá-lhe whatsapp pros coitados dos médicos perguntando se era mesmo normal ou se a gente deveria procurar uma fono.

“Mamãe, que cheiro ruim!!!” disse ele chorando e pedindo pra sair, quando chegamos no banheiro do shopping e o cheiro de Veja Flores do Campo tava impregnado no ambiente pra camuflar o futúm do banheiro.

Outro dia entrando no elevador ele colocou o dedinho no nariz e tampou. “Ui, que cheiro ruim”.

Pra fechar com chave de ouro. “Mamãe, meu cocô é mais fedido que meia fedorenta”.

Eu não sabia que meu filho não sentia cheiro. Nem percebia.

Sobre o sono: sabe aquele clichê da mãe que coloca a mão (ou até um espelhinho) na frente do rosto do recém nascido, só pra confirmar se tá respirando? Sempre disse que eram doidas as que faziam isso, até porque sempre ouvi meu filho respirar.

Pois pagando a língua, como toda mãe que se preze, fiz tardiamente, essa semana. O fato do meu filho respirar sem som realmente me preocupou por uns dias. E cadê aquele barulhinho que mostra que tá tudo bem? – disse meu inconsciente.

A sensação é de alívio.

Alívio que eu nem sabia que poderia sentir. Porque eu já tinha me acostumado, e sinceramente, aquele era o nosso “normal”.

Perceber que meu filho tem condições de respirar bem e dormir bem foi o melhor presente que ganhei em 2014.

E obrigada a todas vocês que comentaram aqui no blog também! Sei que o povo tá perdendo a mania de deixar comentário em blog, mas eu adoro quando leio os recadinhos de vocês e me dá um gás pra escrever mais.

E, por fim…

Pras mães que estão passando por essa situação eu tenho uma coisa a dizer. É mais simples do que eu pensava. Foi tudo muito tranquilo, fiquem calmas e confiem que tudo vai dar certo!

Beijo grande e, novamente, MUITO obrigada!

11out

5 alimentos que a gestante deve evitar

Todo mundo sabe que a gravidez traz algumas restrições, com a alimentação não é diferente e alguns cuidados devem ser tomados. Claro que não é uma proibição extrema, porém esses alimentos devem ser, no mínimo, consumidos com muita moderação.

1. Sushi ou carnes cruas

alimentos grávidas

Consumir carnes cruas ou mal passadas não faz mal direto pro bebê e para a mãe. É a procedência desses alimentos que pode prejudicar colocar em risco sua saúde. Por segurança, muitos médicos pedem que a gestante deixe de consumir alimentos crus, visto que são alvo mais fácil de contaminação, como toxoplasmose ou alguma infecção para o bebê. Melhor evitar, mas se for consumir, saiba bem das condições de higiene, armazenamento e validade desses.

2. Cafés e bebidas energéticas

Cafe

Esse tipo de bebida aumenta a pressão arterial, o que pode ser muito perigoso para uma gestante, que já tem sua circulação sanguínea e frequencia cardíaca alteradas. Ainda não existem estudos que confirmem a segurança dos energéticos, normalmente cheios de conservantes. Se não aguentar, prefira um cafezinho com leite pra matar a vontade.

3. Alguns tipos de chás

chagravida

O consumo é liberado para os chás de camomila, erva doce e hortelã. Chá mate, verde, sene, branco, preto e canela devem ser evitados. Qualquer outro também, principalmente se desconhecida a procedência.

4. Mariscos e ostras

marisco

São alimentos que podem carregar muitas toxinas e bactérias. Melhor evitar pois pode ocasionar uma intoxicação e desidratação.

5. Adoçantes a base de sacarina

adoçante

Ainda não existem estudos que comprovem a segurança desse tipo de adoçante. Todo adoçante artificial deve ser evitado. Prefira a base de sucralose, mesmo assim com muita moderação, melhor mesmo é evitar.

Alimentos em conserva em geral (também os conservados no sal como carne seca e bacalhau), pimenta em excesso e claro, bebidas alcoólicas não devem ser consumidos durante a gestação.

Eu confesso que consumi alguns itens, me ataquei num sushi um dia (ou uns dias, após o terceiro mês hehe), bebia um cafezinho com leite de vez em quando e deu tudo certo.. Dudu tá aí pra ilustrar esse sucesso.. haha. Mas tudo tem que ser observado de acordo com a situação e saúde da mulher, né?! Melhor mesmo é não abusar.

Fonte: Site Bebê

Beijinhos!

Bia

22ago

O ritual da comida

Essa é a saga que se repete, de 3 em 3 horas aqui em casa.

Preparando o pápápá. Brinquedos pra entreter o Dudu enquanto ele espera ansioso:Primeira colherada. Com fome de um devorador!

Humm.. gostei!

De paladar indeciso..

Dá essa comida aqui!!!

Uau! Um arroz.

Uau!!! Mais arroz ainda aqui dentro!!!!

Humm!
Ah, não me arrependo e nem sinto falta de cadeirão! Esse é da safety 1st e eu amo. Vira uma maletinha sempre levo comigo. Ele tá super acostumado a comer na mesa junto com a gente, fica esperando a gente terminar sentadinho! Além de economizar um mega espaço aqui em casa. Porque o que mais tem aqui é quinquilharia de bebê. Fica a dica!!!