14fev

Maternidade: Expectativa x Realidade

Ah, saudade de quando minha única preocupação com a maternidade era educar meu filho.

Como assim? Você não educa mais?

Ah, a saudade era de quando eu educava e ele nem tinha nascido!

Sim. Eu educava antes mesmo de saber que queria teria um filho. Duvido que tô sozinha nessa. Bate aqui se tu tá nessa loucura comigo.

Quantas vezes a gente educou uma criança na imaginação e deu super certo?

E confesso, era facinho facinho, mamão com açúcar.

Eu sou ótima pra educar assim. Sempre sei a coisa certa a dizer. (Pelo menos nos ensaios no chuveiro eu sempre sou ótima!)

É cada situação que eu tiro de letra. (ironia modo on)

Nossa, como sou sensata e capaz de oferecer uma excelente e equilibrada educação. (Digo pra mim mesma, num ensaio sobre uma possível crise que ainda não aconteceu e que, logicamente, eu contornei muito bem)

Mas como aquelas mães deixam as crianças ficarem naquela folga toda?

AH, POIS É!

A maternidade é um eterno jogo de expectativa x realidade.

Tem algumas coisas que a gente precisa falar!

 

  • Amamentação

Meu filho vai mamar só no peito. Meu sonho é amamentar. É tão natural isso.

Essa é, talvez, a primeira frustração. Não é tão natural assim, e dói. As vezes sangra e racha. Tem gente que consegue e gente que não consegue. E tá tudo bem.

O que importa é alimentar o bebê e dar o seu melhor!

 

  • Os brinquedos

“Quando meu filho nascer, ele só vai ter brinquedos educativos. Televisão só mais velho e ipad nem pensar! “(dou risada só de lembrar disso!)

Daí você monta um quarto montessoriano, tem lugar para os brinquedos todos (um brinquedo mais fofo que o outro). Daí que ele fica dois minutos com cada brinquedo e larga (ou resolve passar horas com uma garrafa pet. sustentável!)

Sua casa vira um campo minado de lego (é cada pisada de pé que nois dá! dói no fundo da alma!)

 

  • Rotina

Meu filho vai dormir a noite inteira. É só seguir a rotina certinho que ele vai ser calmo e não dar trabalho. Os pais exageram um pouco falando que os filhos não dormem, devem estar fazendo alguma coisa errada!

Aham, e eu também não tenho olheiras eternas. A criança não é um robô. De fato rotina ajuda, mas não é assim tão milagroso. Tem criança que não dorme mesmo! (e azar o meu, e o seu, e o de quem mais for sorteado na roleta russa do sono infantil!)

 

  • Alimentação

“O filho da Ana não come brócolis, isso não vai acontecer com meu bebê. Ele vai comer de tudo e orgânico, claro.”

Daí começa a introdução alimentar e seu filho não gosta de nada, cospe tudo em você, no chão e nas paredes! É cada macarrão que nois dá e eles amam! (hahahahah)

É bom apresentar os legumes e as frutas e te-los sempre no prato, mas forçar não vai levar ninguém a lugar nenhum. Vai oferecendo que uma hora eles vão provar e vão gostar. (mas tem coisa que não tem jeito…)

 

  • Vida social

“Vou manter minha vida social, sair com os amigos, viajar, fazer academia…é só deixar o bebê com a minha mãe, minha sogra, a dinda!”

Daí você tá toda produzida pra sair, é só levar o filho. Bate aquela preguiça de tirar a criança da rotina, porque você já imagina o dia seguinte e sabe que vai ser o cão.

As vezes vale a pena, porque você desliga um pouco dessa rotina cansativa. Encontra com os amigos só pra conversar assuntos de adultos!

Vai ter os dias que você vai querer ficar em casa sim e tudo bem também!

 

  • Dia dia da educação

“Birra, isso é coisa de criança mimada. Meu filho não vai fazer birra nunca!”

TOMA! Tá lá ele jogado no chão do supermercado se debatendo e gritando enfurecidamente! Tá lá ele fazendo birra na cara do pediatra!

Ah, Põe a culpa no sono! haha #quemnunca

Respira fundo que não é a primeira nem a última.

 

  • Desfralde

“Não deve ter segredo, vou colocar um penico no banheiro bem fofo, com tampa, daqueles que tem música. Certeza que ele vai amar.”

Daí ele olha o troço e chora. Você tenta colocar ele ali um pouquinho e o treco parece que tem espinho. Ele sai correndo pela casa e faz xixi por todo canto, inclusive em você!

Conta até dez e limpa tudo. Vai acontecer de novo.

 

  • Convivendo com outros bebês

“É importante ter amigos desde bem pequeno, conviver com outras crianças pra brincar. Eles vão ficar amigos para sempre!”

Daí você chama as amigas mães, que têm filhos com idade parecida e socorro. Eles se mordem, se puxam, disputam o brinquedo, brigam, choram e isso tudo num loop sem fim.

Eles vão brigar muito ainda, mas não desiste, amigo de infância é aquele quentinho no coração.

É minha amiga, em tudo na vida expectativa é furada.

A gente sempre tem uma imaginação muito melhor do que é a realidade.

 

Quando abrimos mão do que a gente imaginou a vida fica leve e passamos a dar belas gargalhadas.
Confesso que tenho crises e crises de riso sozinha lembrando o antes e o depois!

29jul

Prevenção das assaduras mesmo depois do desfralde

Com muita sorte consegui fazer o desfralde noturno do Dudu nas últimas semanas. Não teria coragem de encarar o processo nesse frio!

Foi tudo bem natural. Ao perceber que as fraldas estavam secas na maioria das manhãs, comecei a reduzir os líquidos à noite e levá-lo pra fazer xixi antes de eu dormir. Outro sinal foi o fato de ele não querer mais usar fralda. De jeito nenhum. Ele reclamava do incômodo e ficava visivelmente agoniado.

Mas, sem tanta sorte assim, esses dias ele pegou uma virose que levou a um famoso – e gigantesco – piriri.

Recebi uma amostra do Bepantol® Baby aqui em casa e resolvi usar pra prevenir as temidas assaduras. Chegou na melhor hora, achei que já tivesse passado da fase de usar creme anti assaduras, mas é necessário ter um sempre à mão pra esses casos.

A textura leve e transparente não irritou a pele e não deixou assar. Sem falar nas cuequinhas lindas e intactas, que não mancharam por conta do produto, ao contrário dos cremes brancos que criam aquela crosta amarela. #hajaesfregação

bepantol2

Aprovei e recomendo o Bepantol® Baby! Ele possui lanolina e pró-vitamina B5, que formam uma camada protetora e não irritam a pele sensível do bebê.

bepantol1

PS: Os produtos da Bepantol® são velhos conhecidos meus (lembra que já falei aqui no blog lááá em 2012?). Uso o Bepantol® Derma desde antes de engravidar no rosto e lábios. Só depois lançaram o Bepantol® Mamy, a linha para prevenção de estrias e cuidados com a pele da gestante. Esse eu não pude testar. Ainda!

POST PATROCINADO

L.BR.MKT.07.2015.3743

13jan

Desfralde – Parte II

Continuando o post anterior… vou resumir como foi/está sendo o processo do desfralde por aqui.

Quando fomos pra Disney, em agosto do ano passado, comprei um adaptador de assento do Cars. Na época ele adorou, mas não achei que ele estava maduro pra desfraldar e não aconselho fazer no inverno, por isso resolvi esperar. Acontece que o adaptador já não era novidade e não despertou tanto interesse. Tive uma primeira tentativa de desfralde frustrada em novembro do ano passado. Ele simplesmente não fazia xixi ali, e eu resolvi adiar.

Comecei a desfraldar mesmo no dia 23 de dezembro, foi quando ele ganhou um penico que era de um amiguinho e aproveitei a oportunidade, mesmo sabendo que seria bem difícil iniciar nas festas de fim de ano, ainda mais pra gente que sai bastante com ele. Por isso optei por fazer de uma forma mais leve: enquanto estávamos em casa Dudu ficava de cueca, e pra sair colocava fralda. Sei que o ideal é tirar de vez, mas fui no meu feeling e no tempo do Dudu, e também no que era mais cômodo pra gente. Logo que começamos ele já fez xixi no penico, e aí foi a maior festa, com direito a colar adesivo e contar pra toda família, e o Dudu todo bobo.

Por mais que ele fizesse xixi no lugar, nunca partia dele a iniciativa. Sei que nos primeiros dias é normal, mas ficamos praticamente duas semanas sem pedidos de xixi da parte dele, e cocô nem pensar. Passou de tudo pela minha cabeça, inclusive desistir depois de passar dias limpando sofá, cadeira, chão, e trocando de cueca incessantemente. Haja paciência. Algumas horas que eu estava sem saco e ocupada, sabia que não poderia ficar 100% em cima e que o xixi ia escapar, colocava a fralda mesmo.. #mejulguem!

Ah, comprei uma fralda mais fuleirinha pra ele ir perdendo o interesse mesmo, e a noturna continua a mesma. Resolvi mudar um pouco o discurso quando ele fazia xixi ou cocô nas calças. Antes eu dizia: “ai que pena Dudu, mas não tem problema filho, o lugar certo é no peniquinho é só pedir que a mamãe leva”. Passei a dizer “Filho, logo logo tu vai crescer e aprender a pedir e a fazer no penico, não tem problema se errar, mas a mamãe vai ficar bem feliz e orgulhosa quando tu fizer certinho”. Não sei se foi coincidência, ele pode ter adquirido a maturidade e aprendido sem a minha intervenção, mas a partir desse dia ele passou a fazer tudo no penico, inclusive cocô (iiiiiiirrááá). E o melhor, me pedindo! Sem eu ter que lembrar a cada 15 minutos (sim, porque se passasse disso ele fazia fora).

Percebi então a importância do reforço positivo, na prática. Ambas as formas que eu falava eram pacíficas e legais, mas a segunda pode ter deixado ele mais confiante.

Claro que ainda tem alguns escapes, mas tem vezes que ele passa um dia todo sem fazer xixi ou cocô nas calças. Só agora que estou começando a tirar a fralda fora de casa, comecei em passeios mais rápidos e estamos evoluindo para passeios longos, inclusive no carro. Não tive essa de tirar tudo de uma vez, que é o que a maioria recomenda, mas está dando super certo assim. Agora mesmo quando está de fralda ele pede pra fazer xixi. Optei assim pela praticidade e pra deixá-lo mais confiante na rua, pois quando ele “erra”, por mais eu eu tente transparecer naturalidade, fica um pouco constrangido.

E assim estamos evoluindo! O início foi super difícil, mas o pior já passou. Ah, e o bolso também agradece viu?

Beijinhos!

 

09jan

Desfralde – perguntas e respostas

Eu sempre tive medo do desfralde. Imaginava que não seria simples, por isso fui atrás de todo tipo de informação que pudesse me ajudar nessa fase. Detalhe é que eu resolvi começar tudo junto: desfralde e tirar a chupeta. Desse último já nos livramos, ufa!

Algumas das minhas dúvidas acredito que sejam também outras mães, por isso selecionei as principais e vou falar da minha experiência pra vocês.

– Qual a idade certa para o desfralde?

Recomenda-se que o desfralde seja iniciado por volta dos 2 anos. No entanto, cada criança tem o seu tempo e a evolução é bem particular. Algumas crianças só conseguem ter controle e deixar de usar fralda por volta dos 4 anos, até essa idade ainda é considerado normal.

Eu comecei a desfraldar com 2 anos e 4 meses. Algumas pessoas me perguntam porque eu não comecei logo que ele completou 2. Era inverno e eu não recomendo tirar a fralda no frio. Vai sujar toneladas a mais de roupa, além de ser menos prático porque quanto mais agasalhados, mais demora a tirar a roupinha e nesse meio tempo pode escapar xixi. Aqui deixo o Dudu de cuequinha e camiseta o dia todo, bem mais prático!

– Peniquinho ou Adaptador?

Eu comprei o adaptador e achei que fosse o suficiente. Tentei começar só com ele, mas o Dudu não demonstrou nenhum interesse em fazer xixi no vaso, nem curiosidade, por isso recorri a um penico musical, o modelo é esse da Fischer Price.

pinico-fischer-price

Peguei de uma amiga que o filho não usa mais, aí criamos uma historinha dizendo que ele ia aprender a fazer xixi igual ao Enzo. O fato da música tocar quando faz xixi animou bastante ele. Acho que faltava isso, um contexto mais lúdico pra que ele realmente despertasse o interesse.

– O que devo fazer quando meu filho faz xixi ou cocô nas calças?

Você não deve brigar, afinal faz parte de um aprendizado e não é um ato voluntário. É um treino diário, que a criança não pode se frustrar por não conseguir. Eu usei duas abordagens. De início eu falava algo do tipo “Que pena filho, sujou a cuequinha, agora vamos trocar, mas não tem problema” sempre confortando e falando de forma carinhosa. Enquanto falei dessa forma ele sequer pedia para ir fazer xixi ou cocô. Comecei a fazer um reforço positivo maior, falando “Não tem problema filho, logo logo tu vai aprender fazer no lugar certo e a mamãe vai ficar bem orgulhosa”. Não sei se foi coincidência, mas a evolução foi muito rápida desde esse momento.

– Devo recompensar meu filho quando ele faz xixi no penico? Como posso fazer?

SIM! Recompensa não necessariamente é algo que custe dinheiro. Cantar uma música, fazer aquela farra, dizer o quanto está feliz e orgulhosa, contar pra família na frente dele, tudo isso faz com que a criança se sinta importante, capaz e motivada a evoluir no desfralde. Eu usei um segundo método, que o Dudu adora: adesivos! A cada xixi no penico ele tem direito a colar um adesivo no guarda-roupas dele. E a cada cocô ele pode colar 2.

– Como está sendo o processo do desfralde pra gente? 

Como esse post já ficou extenso e quero dar detalhes da evolução diária (e também fazer o assunto render #sinceridadeétudo), vou deixar pra um segundo post! Não fiquem chateados, hehe.

E vocês? como estão passando? 

Beijinhos!

Bia