30jun

O que é e quanto tempo dura o puerpério?

Faz tempo que quero escrever sobre o puerpério, mas ainda não sabia como. Ainda não sei a melhor maneira de abordar essa questão, pela delicadeza que o momento pede, mas vamos lá, com calma e por partes.

 

Faz pouco tempo que começamos a falar mais sobre puerpério, e que bom!

 

Mas o que é o puerpério?

 

Logo que o bebê nasce, parto normal ou não, existe uma coisa chamada resguardo, aquele periodozinho de quarenta dias de recuperação física e de adaptação mental à nova rotina.

E essa nova rotina, com milhões de adaptações, aprendizados e hormônios desorientados, não é fácil!

O corpo começa a perceber que não tem mais um bebê dentro da barriga e vai se remodelando ao novo espaço, ao novo corpo. Além de todas as mudanças físicas, as emoções ficam à flor da pele.

Dá aquela insegurança de pensar que aquele bebezico é pra vida toda. E a gente pensa: não dá pra colocar de volta? Não dá pra fugir e desistir dessa responsa? E a gente percebe nesse tempo que não, não dá.

Uma das melhores definições EVER que eu li sobre puerpério foi da Luiza do blog Potencial Gestante. Se liga na metáfora que vai fazer qualquer pessoa entender o que é esse momento:

“o puerpério acontece naqueles meses após o nascimento do bebê em que parece que te mandaram para um país muito distante, com passagem só de ida. de repente você está lá, lidando com pessoas com uma língua totalmente diferente, uma cultura diferente, culinária, moeda, clima, vestimentas, tudo diferente. seu bebê fala uma língua que não é sua. se alimenta de outra maneira, se veste de outra maneira, se comporta totalmente de outra maneira, tem uns horários esquisitíssimos, emite sons e cheiros fora do que você consideraria comun no seu país de origem. de repente você se vê obrigada a aprender a lidar rapidamente com aquilo tudo por um instinto de sobrevivência. como sair dali não é uma opção, ou você se adapta ou surta.”

Não é gênia essa mulher?

No meio dessa instabilidade emocional e desse desgaste físico algumas coisas podem ajudar a passar por esse momento com um pouco mais de segurança.

Então, como passar pelo puerpério sem surtar? Ou ainda, como manter o minimo de sanidade em momentos de estresse? E até: como não sair correndo pela rua gritando e puxando os cabelos?

  Sanidade no puerpério

Vamos tricotar ou as famosas redes de apoio

Dizem que pra criar uma criança é preciso uma vila inteira, mas eu fico me perguntando e pra cuidar da mãe o que é preciso?

O momento delicado do puerpério

Durante a gestação toda a mulher é cercada de carinho, passa por exames médicos regulares, é acompanhada a cada passo. Daí o bebê nasce e o que acontece com a mulher?

Ninguém sabe, porque tá todo mundo olhando pro bebê.

É pra isso que serve a rede de apoio, cuidar da mãe e não do bebê!

Segue minhas diquinhas:

  • faça uma visita (consentida pelos pais, claro) e prepare a refeição deles
  • ofereça uma faxina ou um cuidado com a casa, tipo: lavar louça, estender a roupa, comprar comida
  • quem sabe ficar com o bebê enquanto a mãe toma um banho longo, heim?
  • o que você acha de oferecer o seu ouvido pra ela poder falar sobre a sua experiência materna?

 

Se você está precisando dessa rede, mande esse texto pros seus amigos. Se você faz parte dessa rede, preste atenção nas prioridades ali em cima, meus amigos.

Prometo que você vai ter tempo de curtir o bebê, principalmente se a mãe dele estiver bem!

 

Vamos alugar um orelhão? Terapia é a escuta qualificada que precisamos!

Muitas vezes as pessoas não querem ouvir nossos dilemas e nós também não queremos ficar dividindo muito as nossas angústias.

Terapia durante o puerpério, vale a pena?

Faça terapia! Essa dica é vida!

Nada melhor que uma pessoa com uma escuta ativa pra acalmar o nosso coração e organizar um pouco as nossas ideias.

M E L H O R coisa da vida é ter esse espaço onde se pode falar inclusive: quero desistir! Não quero mais ser mãe! Que medo desse bichinho que saiu de mim!

E não ser julgada por isso.

Mindfulness e a arte de se concentrar em algo bem objetivo

Pra ser bem prática, Mindfulness é um estado de concentração plena ou a nossa mente presente (que é bem difícil, não é mesmo?).

Porque o puerpério é tão difícil?

Existem treinamentos com práticas pra domesticar nossa mente louca (hahaha) buscando uma atenção às coisas, mais consciente.

Esse estado “mindfulness”, surge quando aprendemos e conseguimos prestar atenção,  sem julgar o momento, observando as coisas como elas realmente são.

Essa é uma boa maneira de sair um pouco dessa bagunça inicial que é a maternidade e tentar focar, respirar e se acalmar com essa meditação incrível.

Claro que dependendo da sobrecarga da pessoa, vale a pena pedir uma ajuda mais especializada como a terapia.

Mas se você já tem uma rede de apoio, por exemplo, a meditação vai ajudar muito!

Se você conseguir, peça ajuda. Você precisa de ajuda nesse momento e é fundamental não estar sozinha.

E se quiser, manda uma mensagem pra gente papear e trocar umas figurinhas! 😉

 

*por Renata Gordo