Eu fico incomodada, muitas vezes, com os ônus de ser uma blogueira de maternidade. Claro que tem a parte boa e, se estou fazendo esse trabalho até hoje, não há dúvidas de que eu realmente gosto da coisa.

Porém, existem alguns pontos que gostaria de contar a vocês, e serve tanto pra quem quer começar um blog materno, quanto pra quem tem curiosidade sobre esse trabalho.

BLOGUEIRA-MATERNIDADE

1) SIM, é um trabalho (pasmem).

Pode até não parecer, mas ter um blog dá um p….. trabalho! Um blog de mãe, além do trabalho usual, tem o agravante de um serzinho (ou mais), não necessariamente bem vindo no momento da escrita dos teus textos, que pode estar:

a) agarrado nas pernas; b) mamando; c) chorando; d) pedindo atenção; e) com fome; f) fazendo birra g) todas as alternativas anteriores combinadas ao som atordoante de Discovery Kids.

E cabe a você, gerenciar isso tudo, no meio do “ixpidiente”.

Além disso, o ambiente de trabalho – embora pareça tentador e o sonho de muita gente – faz com que a cabeça dê um nó. Sem falar nas inúmeras tentações que precisamos resistir pra poder produzir, como a nossa cama quentinha ou um cangote com cheirinho de bebê. E claro, a mega dificuldade de trabalhar em casa. Como ficar se coçando pra não sair por aí ajeitando as coisas no horário de trabalho. Por conta disso, madrugada normalmente vira dia por aqui. É quando eu tenho tempo pra esvaziar minha cabeça e escrever. #agorasouzumbi

 

2) Monotema, às vezes, enche o saco.

Sabe aquelas mães que só-falam-dos-seus-filhos? Acho que não é saudável pra nenhuma das partes. A mulher não pode se esconder atrás do seu papel de mãe. Ainda que meu blog seja essencialmente de maternidade, tento colocar nele (e principalmente nas minhas redes sociais) um pouco de mim e dos meus gostos, porque defendo que ser só mãe não é bom pra ninguém, mesmo sabendo que ser “só” mãe é muito mais difícil do que “ser mãe e outras coisas”.

Às vezes sinto que mudei de nome, virei a “Agora Sou Mãe”.

Ei, peralá. Tenho meus momentos, mas Agora Sou a Bia mesmo.

Por conta dessa imersão materna que meu trabalho proporciona, procuro ter momentos de “fuga” no meu dia a dia. Renovar os ares, trocar de assunto, lembrar de mim. Um detox saudável – e necessário – da maternidade.

 

3) Eu não sei educar melhor do que você.

Nunca foi minha intenção ser uma mãe exemplo. E esse fardo, sim, me incomoda. Ainda esses dias, tava conversando sobre isso com outra blogueira. Parece que nossos filhos não têm o direito de dar um piti homérico, ou que a gente sempre sabe o que fazer. É uma pressão nossa com a gente mesmo. Quem disse que blogueira de maternidade é sinônimo de exemplo a ser seguido?

Quer saber que eu fiz esses dias? Dudu tava indo pra escola com um potinho de MMs (erro 1) na mão. Antes de chegar no portão, disse assim: Filho, coloca tudo na boca bem rápido porque se chegar na sala vai ter que dividir com os amigos (erro 2) e não tem o suficiente. – palmas para a boa mãe!

Foi o que deu na telha na hora, fiz sem pensar, pá pum.

E quando eu perco a cabeça e faço ameaças que não vou cumprir?

– Se não arrumar o quarto eu vou doar todos os teus brinquedos!

tá bom Claudinha, senta lá.

A intenção do blog sempre foi dividir o peso e as angústias da maternidade, contar experiências (boas ou não) e trazer algumas dicas gerais, que nem sempre tenho o preparo e sangue frio pra seguir e aplicar. Mas sempre sendo verdadeira, comigo e com vocês (ainda que isso me custe uns “unfollows”).

 

4) Blogueira sofre da síndrome da dona de casa desocupada.

Sabe aquela cena clássica da esposa que fica o dia todo cuidando da casa e do filho, que tem um trabalho imenso, que não pára um segundo, mas que todo mundo pensa que a vida dela é ver TV e fazer voltinhas da casa? E que o marido chega e pergunta: O que você fez o dia todo?

Ter um blog de maternidade é mais ou menos assim. Por isso, carinhosamente, apelidei de “síndrome da dona de casa desocupada”.

Ninguém repara que, pra escrever um texto decente e original (porque blogs ctrl+c ctrl+v tá cheio dando sopa!), você parou por horas e horas, pesquisou temas, referências, leu muito, encontrou inspiração e, finalmente escreveu.

Tá certo que depois que abri a minha loja online ganhei um certo álibi contra síndrome da dona de casa desocupada, mas ainda assim, algumas pessoas têm essa imagem. Uma coisa é ter um blog, outra coisa é brincar de ter um blog.

 

5) Complete a frase:

Blogueira de moda entende de…. Moda

Blogueira de gastronomia entende de… Comida

Blogueira de cinema entende de… Filmes

 

Blogueira de maternidade entende de…

Nada mais do que você.

A gente só tem o trabalho de reunir informações – úteis e inúteis – sobre esse universo e contar pra vocês nossos erros e acertos, com a intenção de que a sua – e a nossa – vida materna fique mais leve!

 

Sinceridade normalmente tira alguns quilos das minhas costas!

E obrigada por ainda me ler!

Beijo

 

Pin It on Pinterest

Compartilhe!