Sabemos que a maternidade é única para cada mulher, repleta de experiências incríveis e momentos inesquecíveis.

Mas ao mesmo tempo ninguém tá sozinha: mães solo, mães adotivas, mães que trabalham fora, mães que não trabalham (fora), mães atípicas, mães depois de muitas tentativas, mães que nem queriam ser mães, mães que se reinventaram, mães incríveis….

Mães de tudo que é jeito, porque queremos mostrar que a maternidade é plural e não pode ser colocada numa caixinha.

Durante todo esse mês de maio, reunimos diversas histórias incríveis de mulheres inspiradoras para celebrar e homenagear essa fase tão especial juntas!

Enfrentar uma doença na família é sempre difícil. Quando viu seu marido com câncer e, por conta disso, com pouquíssimas chances de poder ter filhos no futuro, Anelise (@anelisepiress) se viu sem chão. Mas a cura veio e, com ela, a primeira gravidez. Assim nasceu a Alice e o começo dessa história incrível.

Aos 4 anos, Alice pedia um irmãozinho – mas ainda não era a hora! 8 anos mais tarde, Ane decidiu parar com a pílula e “deixar rolar”, e 20 dias depois já estava grávida! Dessa vez era um menino, Muriel, e o sentimento era de felicidade e gratidão. “Meses depois fomos fazer o ultrassom para saber o sexo do bebê. Mas o médico nos olhou com cara de espanto e de tristeza. Deu a notícia que nosso filho era um menino, e que se não tivesse problemas no coração, teria síndrome de Down.”

Apesar de se sentir desamparada e ficar com muito medo, Ane aguardou os resultados dos exames, que chegaram com um enorme susto. “O resultado era um cromossomo a mais no par 22. Como assim? Comecei a pesquisar e era incompatível com a vida. Gelei! Logo o geneticista me ligou e se desculpou pelo engano. Não era esse o resultado. Mas realmente meu filho teria síndrome de Down. Foram dez dias intensos de choro. Era um misto de alegria por ser sim um bebê compatível com vida e ainda um sentimento de incerteza pelo diagnóstico da síndrome de Down.

Depois da confirmação, veio a aceitação e muita pesquisa sobre o universo da SD. Ane fez as pazes com a situação e se preparou para o parto, que foi lindo e tranquilo. “Não precisou ficar na incubadora, não precisou de UTI, enfim, era tão pequenino, prematuro e tão forte ao mesmo tempo.”

A maternidade atípica traz desafios enormes todos os dias, sem dúvida, mas Ane hoje se vê completa e feliz. “Me sinto honrada e privilegiada por ter a oportunidade de ser mãe da Alice e do Muriel. Obrigada ao meu marido por fazer parte comigo desta linda e emocionante jornada de construção de mais dois seres humanos.”

Cinco abortos espontâneos depois, a gravidez de quase 8 meses da Rúbia (@rubiaantuness) parece um milagre. 

“A maternidade sempre foi um sonho para mim. Sempre fui muito apegada à minha mãe e quando ela partiu para o plano espiritual, eu soube que só sentiria novamente aquele amor sendo mãe.

Quando, em 2014, ela se viu finalmente grávida e com viagem marcada, parecia a combinação ideal para comemorar essa notícia tão linda. No entanto, no meio da viagem, ela se sentiu mal durante um passeio. “Tive uma sensação estranha e ali começou um grande pesadelo… Infelizmente tinha acontecido, foi um aborto espontâneo, sem nenhuma causa aparente.”

Depois de voltar e fazer uma série de exames, ela foi liberada para voltar a tentar, e 4 meses depois estava grávida novamente. Mas o ciclo se repetiu e, antes dos 3 meses de gestação, ela perdeu o bebê. A partir de novos exames, Rúbia descobriu uma trombofilia e, apesar de seguir os protocolos e orientações, teve cinco abortos espontâneos no total.

“Nestes 8 anos de tentativas, fui buscando entender este processo, o porquê disso tudo acontecer comigo, e fui me conectando muito espiritualmente, nunca deixei de acreditar que um dia pudesse viver tudo o que sonhei.” No final de 2020, quando ela achava que seria melhor esperar passar a pandemia para tentar novamente, ela se viu grávida e, agora com quase 32 semanas completas de uma gestação tranquila, é só alegria.

No entanto, a dor das suas perdas passadas, embora hoje acalentada pela perspectiva de finalmente ter um bebê, não desapareceu. “O grande desafio para as mães de anjo é a sua dor, seu luto não ser compreendido, porque seu filho ainda não nasceu.” 

Mesmo antes do parto, Rúbia já se sente mãe e já aprendeu muito com este universo. “A maternidade me mostrou o quanto sou forte e resiliente nos momentos difíceis que passei e o quanto sou frágil e sensível quando ouço a batida do coraçãozinho da minha pequena.”.

Desejamos uma boa hora e já sabemos que mãe incrível você será, Rúbia! 

A maternidade é sempre um choque de realidade que nos mostra como não controlamos nada na vida. A história da Cris (@odaracris) é dessas que vêm pra nos lembrar disso.

Entre perguntas e dilemas sobre sua real vontade de ser mãe – se vinha realmente dela ou de uma pressão social – ela se viu grávida, logo após conhecer seu companheiro. “Foi um misto de sensações, afinal eu estava conhecendo ele, eu já trabalhava por conta própria com a fotografia mas não era nem um pouco fácil de manter as contas. Me questionei se iria levar a gestação para  a frente, e comecei a pensar nas coisas que eu faria que podiam ser impedidas por eu ter um filho.”

Questionando e desafiando a ideia de ser impedida de fazer qualquer coisa, Cris resolveu seguir adiante e mergulhar no universo da maternidade, lendo muito sobre parto natural e criação com apego, o que fez com que até o seu trabalho como fotógrafa fosse afetado por esses temas. “Vi essa mudança refletida nas minhas fotos, no sentido que era esse gestar – que é algo tão profundo e ao mesmo tempo insano, que é bonito mas também não é.

Novamente colocando em xeque a noção de controle que pensamos ter, a Cris, que queria muito um parto domiciliar, acabou fazendo uma cesárea de emergência, e isso era só o começo do desafio. 

Cris enfrentou o puerpério e seguiu com sua carreira, crescendo profissionalmente, numa vida certamente difícil mas muito gratificante. Por conta disso, ela decidiu que queria ser mãe novamente, e se viu grávida já na pandemia, mas acabou sofrendo um aborto espontâneo, e precisou passar por uma curetagem, onde percebeu a violência e falta de tato com a situação. “Quando uma mulher escolhe não ter um filho, é julgada, é xingada, é culpada. Quando uma mulher sofre um aborto espontâneo, lhe dizem que “não é nada, que logo vem outro” – ou seja, em um caso importa a vida do bebê, no outro esse bebê não era nada, e em ambos os casos não se olha para essa mulher e seus sentimentos.” 

A Cris é uma fortaleza e isso é muito claro no seu trabalho como fotógrafa, que você pode conferir no @odaracris

A noção de tempo certo para fazer as coisas é algo que a sociedade tenta nos empurrar goela abaixo de tudo que é jeito. Tempo pra conhecer alguém, casar, formar família. Pois a Karina (@giglioderosa) jogou todas essas ideias pro alto e foi viver a vida do seu próprio jeito, no seu próprio tempo.

Com 38 anos, ela conheceu seu parceiro, com quem casou menos de um ano depois. Ainda aos 38 engravidou pela primeira vez e, aos 39, era mãe de primeira viagem. “A  Catharina foi o meu maior desafio, porque era tudo muito novo para mim. Aos poucos, fui me acostumando com as exigências da maternagem, muito desejada por nós, mas totalmente desconhecida, e com a nova rotina em casa, longe do trabalho.”

6 meses depois, Karina já estava grávida de novo – o que, segundo ela, foi tempo demais! “Eu já estava ficando angustiada por demorar tanto pra engravidar!! Por mim, teria engravidado no resguardo!” E assim veio a segunda filha, Cristina. 

Com duas bebês com pouquíssimo tempo de diferença, o desafio era dobrado. “Me via muitas vezes tendo que atendê-las ao mesmo tempo! A introdução da alimentação foi um desastre. Catharina não comia bem e Cristina nem sabia mastigar. Com muita paciência, venci essa etapa, sem, contudo, resolver totalmente o problema naquele momento.”

Quando Cristina tinha apenas 2 meses, Karina engravidou novamente. Cecília veio ao mundo num parto longo e complicado com 37 semanas, e agora o desafio era triplo! Mesmo com muito suporte e parceria do marido, cuidar de três bebês não é moleza. “Aos poucos fui me acostumando com a rotina com as três e minha maior conquista foi dar conta de todas.

Já na pandemia, quando a caçula tinha apenas 6 meses, ela engravidou pela quarta vez, mas perdeu com oito semanas. No entanto, alguns meses depois ela ficou grávida novamente, e hoje aguarda ansiosa a chegada da sua quarta filha, Inês.

A história da Karina é super diferente do que estamos acostumadas a ver, mas vem para nos mostrar que não existe certo e errado ou momento ideal. Hoje ela se vê realizada como mãe, e sem dúvida é uma mãezona!

Ter filhos é sempre diferente do que a gente planeja – isso quando planeja. E tanto as dificuldades quanto as alegrias vêm de um jeito tão inesperado que é impossível saber o que nos aguarda. E hoje vamos conhecer a história da Jennifer (@jennifermamere), que teve muitas surpresas no seu caminho pela maternidade.

A primeira delas foi a sua primeira gravidez, que veio seis meses depois dela e o parceiro resolverem morar juntos. “Um parto com muitas complicações, mas que no fim com a ajuda de um vácuo extrator, deu certo. Uma bebê linda que desde o início veio com uma enorme dificuldade para amamentar… E quando finalmente conseguimos estabelecer uma boa pega, o diagnóstico: APLV.”

A alergia à proteína do leite de vaca é uma condição muito séria e requer muitos cuidados na alimentação da mãe. “Precisei começar com uma dieta rigorosa para não desistir do sonho de amamentar minha filha.

Dois anos depois, uma nova surpresa: Jennifer estava grávida de novo. Dessa vez, fruto de uma pílula do dia seguinte. “Nasceu tão calma, tão serena, num parto a jato, totalmente diferente da minha primeira experiência parindo. Catarina veio pra ressignificar nossa história.”

Além de todas as surpresas e dificuldades que a família passou, um novo susto: Catarina foi diagnosticada com fibrose cística, o que dois meses depois se mostrou na verdade um falso positivo. Nesse meio tempo, no entanto, foram muitas noites mal dormidas e uma preocupação enorme. 

Hoje, Jennifer se vê realizada com suas duas “bebês-surpresa” e acredita ter se tornado uma pessoa melhor por causa delas. “A maternidade me transformou na minha melhor versão. Vi que posso ser eu mesma, mas posso me doar muito mais do que pensei que fosse possível por elas.”

Ela entende os desafios de cada fase, mas tem uma mensagem importante para quem se vê no meio do caos de ter um bebê em casa: “Aproveite os brinquedos espalhados na sala. Um dia a sala vai estar organizada e seu bebê será um adulto vivendo lá fora. E só restará saudades.

Se quiser saber mais dessa história e conhecer essa família incrível, é só seguir lá no @jennifermamere.

A pressão social é algo que interfere na vida de praticamente todas as mulheres. Na maternidade essa pressão é potencializada, até porque muitas vezes vem de dentro da própria família. Assim começou a história da maternidade da Gabriela (@gabiesp), que engravidou aos 20 anos numa viagem para a Austrália – país onde o aborto é legalizado, e decidiu seguir com a gravidez, em grande parte por pressão da família. 

Não planejei meu filho e na época eu estava em um contexto oposto ao que uma estrutura familiar precisa

Benjamin nasceu em um contexto muito difícil, e a maternidade solo se mostrou um desafio enorme para a Gabriela, que o encarou com determinação e coragem, apesar de continuar enfrentando pressões externas nos ambientes maternos. “O senso comum era tudo o que eu sabia. Não havia uma rede de apoio por vários motivos, mas ser mãe jovem no meio social de escolas privadas foi complicado.

Hoje, nos quase 7 anos de seu filho, ela superou muitos obstáculos e se vê realizada como mãe, além de poder contar muito com muito apoio do seu companheiro. 

Para as novas mães, ela deixa um recado: “Se recolha onde vive o afeto, o carinho. O acolhimento durante a gravidez e o puerpério é essencial”.

Força é a palavra que define tudo o que a Gabriela e tantas outras mães significam!

Esse post conclui a nossa série de histórias de mães extraordinárias!

Durante todo o mês de maio demos espaço para que essas mães incríveis compartilhassem a sua vivência.

Você consegue conferir os outros posts abaixo:

Histórias de maternidade – Parte 1

Histórias de maternidade – Parte 2

Histórias de maternidade – Parte 3

Por que não conta também a sua história nos comentários? 😉

Pin It on Pinterest

Compartilhe!