Eu ainda não descobri qual o termômetro que as pessoas usam pra julgar uma mãe.

Nossa conduta materna é avaliada e comentada o tempo todo, inclusive pela gente!

Parei pra pensar nos comentários mais comuns que ouvimos sobre as mães dos fulanos e beltranas.

Vê se não é mais ou menos assim.

Frases que toda mãe ouve

frases-que-toda-mãe-ouve

  • Se a mãe não trabalha fora é alienada, só pensa no filho e esquece dela mesma. É doida!
  • Se trabalha fora e deixa o filho o dia todo na creche: Que pecado, como ela consegue trabalhar tranquila? 
  • Se tá sempre de unhas feitas deve ter algo de errado com essa mãe, tá com tempo de sobra não deve estar cumprindo bem o papel.
  • Se não faz as unhas e não se cuida é relaxada, vai perder o marido, filha!
  • Se tem babá a vida dela é muito mais fácil, desse jeito eu criava 5 com as mãos nas costas.
  • Se não tem, nossa como ela aguenta o tranco? Deve viver descabelada, vai perder marido!
  • Se gosta de sair é porque deixa o filho largado, tá nem aí pra ele.
  • Se nunca sai é porque é neurótica, deveria dar um ar pra cabeça, faz bem.
  • Se o filho dorme uma noite fora e a mãe fica com consciência pesada é porque é neurótica, superprotetora!
  • Se fica tranquila e aproveita a folga, deve ter algo de errado, talvez não dê muita bola pro filho;
  • Se fez cesárea e não conseguiu amamentar não colocou à prova seu amor e fez pouco esforço, mandriona!
  • Se fez parto na banheira, yoga e se alimentou corretamente durante toda a gravidez é bicho grilo, vive num mundo à parte.

Isso sem falar nos comportamentos que, uma mulher necessariamente ”precisa” deixar de ter ao se tornar mãe.

Uma mãe não pode, definitivamente, dançar demais, extravasar, ter amigos e uma boa vida social, beber, ter cabelo bonito, etc.. isso é tudo muito suspeito! Deve estar faltando em algum lugar.

Quem nunca ouviu um comentário do tipo: “Nossa, agora tu é mãe, não pode mais fazer isso e aquilo”.

Falar palavrão e peidar – corrijo, mãe não peida, solta pum – é praticamente um crime!

Eu vejo a maternidade como uma promoção de cargo, onde tu continuas com todas as funções de antes e acumula milhões de outras.

Jamais deveria ser um rebaixamento, onde você perde o direito de ser quem quer que seja.

Lógico que nos moldamos, mudamos, melhoramos e abrimos mão de muita coisa (no início de quase tudo). mas no fundo, lá no fundo, a gente precisa saber quem a gente é!

Vejo algumas pessoas perdendo a identidade com a maternidade. Um dia filho cresce!

Ah, e não importa a maneira com que a gente crie, fale ou faça. Vão criticar de todo jeito!

Negócio é mandar beijinho no ombro e fazer sempre o nosso melhor!

Bia

Pin It on Pinterest

Compartilhe!