Omega-3-na-gestação

 

Para as mamães de plantão, estudos têm mostrado que a suplementação na forma de óleo de peixe ao longo da gestação e durante a amamentação pode reduzir significativamente o desenvolvimento de alergias alimentares e cutâneas nos primeiros anos de vida, além de dar origem a bebês mais inteligentes, com Q.I. mais elevado. Além dos suplementos, o ômega-3 pode ser encontrado em fontes alimentares como peixes gordurosos de águas frias e profundas (sardinha, cavala, salmão, arenque e truta), algas marinhas comestíveis, sementes de linhaça e chia e seus óleos.

Mas atenção! Se você está grávida e quer enriquecer a sua dieta com ômega-3 deve ter cautela. Isso porque os peixes ricos em ômega-3 têm apresentado altos níveis de contaminação por mercúrio (tóxico ao sistema nervoso do bebê), e podem não conter a quantidade adequada de ômega-3 devido à alimentação de cativeiro baseada em ração. O ômega-3 na linhaça e chia está em uma forma química que não é facilmente “aproveitável” pelo organismo. As algas marinhas são ótimas fontes, entretanto é preciso consumir em grandes quantidades para atingir as doses que mostram os benefícios citados.

Assim, devido as limitações relacionadas aos alimentos a melhor maneira de obter o ômega-3 é através da suplementação de óleo de peixe, a qual deve ser prescrita por um nutricionista nas doses adequadas para a gestante ou lactante em questão, e levando em consideração suas particularidades. Pode-se assim enriquecer a dieta com linhaça e chia trituradas adicionadas a frutas, iogurtes, sopas e saladas, e algas marinhas tostadas para consumir eventualmente sobre saladas e sopas, obtendo outros nutrientes importantes através destes alimentos.

Luiza Kuhnen Teixeira
Nutricionista Funcional CRN10 2422
Mestranda Nutrição Clínica UFSC PPGN

BANNER 690 X 90

Pin It on Pinterest

Compartilhe!