Puerpério. Palavrinha cujo significado ainda é desconhecido para muitos. O período que abrange o pós-parto e pode se estender por até três anos é comparável à adolescência em alguns aspectos. Insegurança e uma nova identidade que chega, nesse caso somadas à privação de sono e oscilações hormonais são algumas características do puerpério, mas os sentimentos e sintomas podem variar de mãe para mãe.

Ainda falta muita informação sobre o tema para que possamos nos preparar melhor para o período e também para apoiar da melhor maneira quem está passando por ele. Por isso, pedimos ajuda a Nicolle Fontanela, psicóloga perinatal especialista em gestantes e mães, que respondeu algumas questões sobre essa fase

O que é o puerpério e quais sentimentos mais comuns entre as mulheres nesse período?
Muitas pessoas acreditam que o puerpério são aqueles primeiros 40 dias em que a mãe teve o bebê. Momento em que a mulher está se recuperando após o parto, se adaptando aos desafios da amamentação, lidando com as noites mal dormidas e com os hormônios que estão à flor da pele. Porém o puerpério é muito mais do que isso. O puerpério vai muito além de 40 dias após o parto. Ele não é somente físico, ele também é emocional e por isso é muito mais complexo. Enquanto a mãe vai se deparando com os desafios de cada nova experiência e se ajustando à nova rotina, em vários momentos podem aparecer sentimentos confusos e contraditórios como solidão, tristeza, amor, desamparo, sensação de estar perdida, cansaço. A maternidade é um momento de muitas transformações e uma grande oportunidade de amadurecimento e crescimento da mulher. E também é um período em que ela está mais suscetível a adoecimentos psíquicos. Por isso o período requer um olhar cuidadoso.

Foto Ana Luiza Souza, Babuska Fotografia

Por quanto tempo o puerpério pode se estender?
Ele varia muito, mas pode se estender até uns 2 -3 anos após o nascimento do bebê. O puerpério é um verdadeiro “mergulho na alma” e dura o tempo necessário para que a mamãe se redescubra uma nova mulher.

Quais sintomas são considerados “normais” dessa fase e quais devem ser um sinal de alerta para que a mulher peça ajuda especializada?
O puerpério é um momento de muitas mudanças físicas, hormonais e emocionais. Há uma certa oscilação emocional esperada nesta fase de vida. Porém se houver muita ansiedade, excessiva preocupação, desânimo, desinteresse, insônia, irritabilidade, ideação suicida da mãe é importante ficar atenta e fazer uma consulta com o psicólogo perinatal, especializado no atendimento de mães.

Como puérpera, como atravessar esse período de forma mais leve?
Há um provérbio que diz: “Para criar uma criança é preciso uma aldeia”. Por isso é bem importante desde a gestação a mulher já ir formando sua rede de apoio. Com o bebê pequeno, o apoio pode ser alguém para ajudar com a organização da casa, alimentação e atividades burocráticas. Assim a mulher fica mais disponível para estar com o filho. Aos poucos que a criança vai ganhando autonomia, a rede de apoio pode ser com os cuidados com o bebê, assim a mamãe tem momentos a sós, com o parceiro e/ou para a volta ao trabalho. Manter contato com outras mães que estão passando pela mesma fase é bem interessante. Para haver trocas de experiências e amenizar o sentimento de solidão. Lembrar que você é humana e não precisa se cobrar tanto. Saber que aceitar e pedir ajuda sempre que precisar, não a torna menos mãe. Se estiver com dificuldades pode contar com o apoio de um psicólogo.

Foto Ana Luiza Souza, Babuska Fotografia

Como a mulher pode ser preparar para o puerpério?
É sempre bom lembrar que cada mulher vivencia um puerpério diferente, assim como em todas as fases da maternidade. Algumas relatam não ter nenhum problema e outras podem chegar a passar pela depressão. Então não existe uma fórmula pronta para uma maternidade perfeita! É na vivência que a maternidade se faz.

Mas é claro que há pontos muito importantes para serem levado em conta ao se preparar para este momento especial:

– Ler e se informar sobre maternidade real;
– Ter momentos de descanso e relaxamento;
– Buscar estar próxima de mães que estão passando pela mesma fase;
– Ir percebendo como são os cuidados com o bebê;
– Contar com a consulta de pré-natal psicológico que é complementar ao pré-natal obstétrico. São consultas de acompanhamento emocional e preparação para o pós-parto.

Como apoiar uma mulher no puerpério?
Cada mulher tem uma necessidade diferente, portanto é bem interessante perguntar a recém-mãe qual a ajuda que ela necessita mais.

Seguem algumas dicas:
– Auxiliar com as atividades práticas da casa;
– Preparar refeições saudáveis para a puérpera;
– Nunca compará-la com outras mãe;
– Lembrar que ela não precisa dar conta sozinha.

Pin It on Pinterest

Compartilhe!